Politica

Cavaco aposta na divisão do PS

Com Passos Coelho já indigitado como primeiro-ministro, e depois de deixar claro que não aceita uma solução de governo à esquerda, Cavaco Silva aposta na divisão dos deputados do PS para que o governo da coligação de direita possa sobreviver às moções de rejeição na Assembleia da República. O Presidente da República foi claro: "A última palavra cabe aos deputados. A rejeição do programa de Governo implica a sua demissão. Cabe aos deputados apreciar o programa do Governo» e acrescentou ainda que «o Presidente assumiu a sua responsabilidade. Cabe aos deputados assumirem as suas".

 

Há uma aposta na divisão interna no PS. Com sete deputados que não votem as moções de rejeição do programa de governo anunciadas por BE e PCP, Passos Coelho não será ‘chumbado’. 

Um primeiro efeito do discurso presidencial foi o de ‘incendiar’ a reunião da comissão política do PS. Em Belém, porém, não há ainda grande optimismo sobre a possibilidade de os socialistas se revoltarem contra a solução esquerdista. 

Leia mais na edição impressa do SOL, já nas bancas

manuel.a.magalhaes@sol.pt