Sociedade

Freguesia do Centro Histórico do Porto fecha creche por falta de segurança

O presidente da União de Freguesias do Centro Histórico do Porto revelou hoje à Lusa que a creche da Vitória vai fechar devido à falta de condições de segurança do edifício onde funciona, na Praça Carlos Alberto.


"Temos um relatório da Segurança Social que faz um quadro gravíssimo da segurança daquele edifício, nomeadamente em situação de incêndio, já que o prédio, com o miolo todo em madeira, não tem placas e acolhe crianças pequenas [desde os quatro meses] em vários pisos. Desde 2007 que há relatórios anuais a recomendar obras que nunca foram realizadas", descreveu António Fonseca, presidente da União de Freguesias (UF) de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, S. Nicolau e Vitória.

Perante a gravidade do cenário, o autarca convocou para hoje, ao fim da tarde, uma reunião com os encarregados de educação das "12 a 13 crianças" que frequentam a creche para lhes comunicar a necessidade de encerrar o serviço e apresentar como alternativas as creches de Cedofeita e Santo Ildefonso, "também comparticipadas pela segurança social " e situadas na mesma União de Freguesias.

O autarca reconhece que esta situação tem ligações com o fim da comparticipação da Segurança Social às creches da junta, mas nota que, no caso da creche da Vitória, o edifício e o serviço teriam de fechar de qualquer forma.

"Mesmo que se mantivessem os protocolos da Segurança Social com a Junta, aquele edifício não podia continuar como creche", assegura António Fonseca, que preside à UF desde final de 2013.

De acordo com o autarca, "irresponsavelmente, a creche já funcionava assim há muitos anos".

"Existem relatórios anuais da Segurança Social a alertar para o perigo e a junta nada fez", afirma Fonseca.

O presidente da UF refere que o edifício acolhe também um centro de Atividades de Tempos Livres (ATL), para o qual também terá de ser encontrada uma solução.

Lusa/SOL