Economia

Deustche Bank aumenta para 15 mil os despedimentos

O banco alemão Deutsche Bank, que anunciou hoje um corte de 9.000 postos de trabalho, aumentou em mais 6.000 despedimentos de empregados subcontratados, subindo para 15.000 a redução de empregos em todo o mundo.

O colosso financeiro alemão - que apresentou hoje os seus piores resultados trimestrais desde os anos 50, com um prejuízo de 4.647 milhões de euros -, avançou com um drástico plano de saneamento que para além dos 15.000 despedimentos, inclui a saída de dez países, o encerramento de centenas de filiais e o cancelamento de dividendos aos acionistas deste ano e no próximo.

O novo copresidente do Deutsche Bank, John Cryan, que assumiu o cargo com a missão de imprimir uma clara mudança de rumo da instituição financeira, revelou na sua primeira aparição pública "medidas duras" para devolver um banco "íntegro e fiável" com "lucros sustentáveis", que correrá menores riscos e elevará os seus 'standards' de capital.

Em termos de matéria laboral, o banco disse em comunicado que prevê despedir até 2018 cerca de 9.000 colaboradores do quadro, bem como mais 6.000 subcontratados, sendo que o país mais afetado, com um corte de 4.000 funcionários, será a Alemanha.

O Deutsche Bank vai retirar-se "completamente" de dez mercados, no qual Portugal não está incluído. Argentina, Chile, Dinamarca, Finlândia, Noruega, Nova Zelândia, Malta, México, Perú e Uruguai são os países escolhidos.

Para além disso vai reduzir o número das suas filiais, encerrando 200 balcões na Alemanha e no resto da Europa Ocidental, disse John Cryan.

Esta redução de pessoal terá um custo extra de 3.500 milhões de euros para o banco em matéria de indemnizações e compensações.

Os resultados dos próximos exercícios serão negativamente afetados pela reestruturação do grupo, sendo que 2018 será um "ano decisivo" para o banco, explicou Cryan.

Os maus resultados do Deutsche Bank no terceiro trimestre de 2015, devem-se em grande medida a depreciações de 5.800 milhões de euros na banca de investimento.

O novo copresidente do Deutsche Bank classificou os resultados como "absolutamente dececionantes".

O Deutsche Bank anunciou que, devido aos prejuízos e à profunda reestruturação que planeia, não prevê pagar dividendos aos acionistas nem este ano nem no próximo exercício, uma medida que a instituição financeira nunca tomou desde os anos 50.

O banco alemão foi gravemente afetado por vários escândalos de corrupção e financeiros, entre os quais se destaca a manipulação da Libor e Euribor, tanto pelas suas repercussões como pela quantia das multas, que afetou consideravelmente as suas contas.

Lusa/SOL