Economia

Número de passageiros de comboios sobe pela primeira vez em 5 anos

O número total de passageiros transportados por comboio aumentou 1,8% para 128,3 milhões de passageiros em 2014, interrompendo um ciclo de quedas que se verificava desde 2009. 

De acordo com as Estatísticas dos Transportes hoje divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2014, o sistema ferroviário pesado apresentou crescimentos quer no número de passageiros transportados, quer no respetivo volume de transporte (mais 5,5% para 3,9 mil milhões de passageiros por quilómetro).

"Estes resultados positivos interromperam os decréscimos que se verificavam desde 2009", refere o INE.

Já nos sistemas de metropolitano, o número de passageiros transportados também aumentou 1,9%, tendo sido contabilizados 202,1 milhões de passageiros nos três sistemas (Metropolitano de Lisboa, Metro do Porto e Metro Sul do Tejo).

Segundo os dados divulgados, o metropolitano de Lisboa assegurou a deslocação de 135 milhões de passageiros (um aumento de 2% face a 2013), tendo agregado 66,8% do transporte total.

No metro do Porto viajaram 57 milhões de passageiros, traduzindo um acréscimo de 1,8% (contra os 2,6% em 2013).

Já o Metro Sul do Tejo transportou mais 2,1% de passageiros em 2014, face ao ano anterior para 10,1 milhões de passageiros.

Ao nível do transporte de mercadorias, em 2014, as mercadorias transportadas por transporte ferroviário ascenderam a 10,3 milhões de toneladas, tendo aumentado 10,9% (depois de terem caído 4,2% em 2013 face ao ano anterior).

Este aumento refletiu-se igualmente no volume de transporte que cresceu 6,5% (-5,4% em 2013).

O movimento de mercadorias entre estações ferroviárias nacionais foi 8,6 milhões de toneladas (mais 8,7% do que em 2013), enquanto as mercadorias em tráfego internacional ascenderam a 1,7 milhões de toneladas (mais 23,7% face ao ano anterior).

No total, de acordo com as estatísticas divulgadas, o volume de negócios das empresas do setor de transportes aumentou 3,7% em 2014, face ao ano anterior, para 10,8 mil milhões de euros.

Lusa/SOL