Politica

Manifestação contra a esquerda… só ao fim-de-semana

Militantes do PSD e CDS queriam aproveitar os 40 anos do 25 de Novembro para se manifestarem contra o governo que António Costa quer formar com o apoio da esquerda. Mas a fraca mobilização do protesto feito na terça-feira em que se votou o programa do Governo de Passos fez a organização mudar de ideias: a direita sairá à rua no sábado, dia 28.

Militantes do PSD e CDS queriam aproveitar os 40 anos do 25 de Novembro para se manifestarem contra o governo que António Costa quer formar com o apoio da esquerda.

Mas a fraca mobilização do protesto feito na terça-feira em que se votou o programa do Governo de Passos fez a organização mudar de ideias: a direita sairá à rua no sábado, dia 28.

A data pode não ter o mesmo peso histórico, mas o mais importante para a organização é garantir uma demonstração de força nas ruas.

Mais simbólico do que o dia é o local escolhido, o Largo do Carmo, em Lisboa.

O evento, que está a ser organizado à margem das direções do PSD e do CDS, está a ser divulgado no Facebook, com cartaz que mostra os rostos de António Costa, Mário Centeno, Catarina Martins e Jerónimo de Sousa.

"Nós NÃO iremos ficar calados, nós NÃO baixaremos os braços e NÃO desistiremos enquanto NÃO tivermos no Governo quem ganhou as eleições de forma Democrática", lê-se na convocatória divulgada naquela rede social, onde os organizadores do protesto dizem estar a manifestar-se contra "esta ou qualquer outra forma de autoritarismo, extremismo ou assalto à Democracia".

Um dos organizadores disse ao SOL que consideram "estar em causa os valores de Abril" e que o discurso em torno deste evento será feito apelando "ao respeito pelo voto do povo".

A ideia é atacar a legitimidade de uma solução de governo à esquerda, com a mesma tese que tem sido defendida por PSD e CDS, segundo a qual a coligação Portugal à Frente (PàF) foi a força política mais votada e é, por isso, a única com legitimidade para governar.

margarida.davim@sol.pt