Economia

Luxemburgo congela parte das receitas da venda do edifício dos Espírito Santo em Miami

O tribunal luxemburguês decidiu congelar uma parte das verbas arrecadas com a venda do edifício do Grupo Espírito Santo (GES) em Miami, o Espírito Santo Plaza.

A 24 de setembro, os curadores de insolvência das antiga holding de topo do GES no Luxemburgo, Espírito Santo International (ESI), comunicaram que o processo de venda do arranha-céus Espírito Santo Plaza tinha sido concluído com êxito.

Agora, numa nota datada de 23 de novembro, o tribunal luxemburguês refere que “parte dos recursos gerados pelo processo de venda foi transferida para uma conta bancária no Luxemburgo, sob a supervisão dos curadores”.

O edifício, anteriormente detido por uma subsidiária da ESI, foi vendido ao grupo norte-americano Gaedeke por 142 milhões de dólares.

No mesmo comunicado, os curadores referem que os destinatários destes fundos serão ainda identificados.

O tribunal não apresenta, para já, mais detalhes. Assim, ficam por esclarecer os motivos do bloqueio das receitas e o montante das mesmas.

Recorde-se que em setembro os curadores apresentaram um balanço de reclamação de créditos às sociedades do Grupo Espírito Santo em insolvência - ESFIL, ESFG, ESI, ES Control e Rio Forte.

A Espírito Santo International contava, naquela data, com apenas 767 mil euros, um montante significativamente baixo para fazer face aos 2,5 mil milhões de euros em créditos já reclamados a esta holding do topo do grupo.

sandra.a.simoes@sol.pt