Sociedade

Campanha para alimentar mais de 425 mil portugueses

Vai para o terreno este fim de semana mais uma campanha de recolha do Banco Alimentar Contra a Fome. Ao longo de dois dias, mais de 42 mil voluntários estarão nas grandes superfícies do país a angariar alimentos não perecíveis que serão distribuídos por mais de 425 mil portugueses. Um número que não tem parado de aumentar.

De acordo com os dados da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares contra a Fome, ao longo do primeiro semestre deste ano foram apoiadas com produtos mais de 2.600 instituições, que concederam ajuda alimentar às famílias carenciadas. No ano passado, os 21 Bancos Alimentares em atividade distribuíram 29.630 toneladas de alimentos (equivalentes a um valor global estimado superior a 41.482 milhões de euros), ou seja, um movimento médio de 118 toneladas por dia útil.

Nesta campanha de combate à fome, haverá voluntários espalhados por mais de duas mil lojas, de norte a sul do país. Para participar nesta campanha, basta aceitar um saco do banco alimentar e nele colocar produtos alimentares não perecíveis, como leite, conservas, azeite e óleo, arroz, açúcar, farinha, bolachas, massas, entre outros.

Doações também através da internet

Para quem não tem a possibilidade de se deslocar ao supermercado no fim de semana mas que não quer ficar indiferente a esta causa, o Banco Alimentar disponibiliza ainda, entre os dias 28 de novembro e 6 de dezembro, o portal de doação online em www.alimentestaideia.net no qual com um simples clique é possível doar alimentos para quem mais precisa.

Realiza-se em simultâneo a campanha “Ajuda Vale” nos supermercados e nos postos de abastecimento da BP. Em suportes próprios colocados nas caixas, vales de produtos selecionados representando uma unidade do produto (por exemplo, "1 litro de azeite", "1 litro de leite", 1 litro de óleo, 1 lata de salsichas e 1 lata de atum) com um código de barras próprio através do qual é efetuado o controlo das dádivas. Ao fazer o pagamento, o dador entrega o cupão "Ajuda Vale" na caixa registadora e os produtos ficam claramente identificados no talão de caixa.

Os produtos são depois levantados pelo banco alimentar mais próximo e entregues às instituições que os distribuem posteriormente pelas famílias com maiores dificuldades.

rita.carvalho@sol.pt