Sociedade

Vistos Gold: Ex-diretor do SEF não quer instrução

João Medeiros, o advogado do antigo diretor do SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) disse hoje ao SOL que não vai requerer abertura de instrução no processo do seu cliente. Manuel Palos está acusado de um crime de corrupção passiva e dois de prevaricação no processo que ficou conhecido por ‘Vistos Gold’. João Medeiros defende que não irá requerer a abertura de instrução pois este «é um processo que não se resolve em instrução mas só em julgamento. E a intenção do Manuel Palos é ir o mais depressa possível a julgamento, sustentar a sua inocência para virar uma página da sua vida e começar outra».

João Medeiros, o advogado do antigo diretor do SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) disse hoje ao SOL que não vai requerer abertura de instrução no processo do seu cliente. Manuel Palos está acusado de um crime de corrupção passiva e dois de prevaricação no processo que ficou conhecido por ‘Vistos Gold’. João Medeiros defende que não irá requerer a abertura de instrução pois este "é um processo que não se resolve em instrução mas só em julgamento. E a intenção do Manuel Palos é ir o mais depressa possível a julgamento, sustentar a sua inocência para virar uma página da sua vida e começar outra".

O pedido de abertura de instrução é uma fase anterior ao julgamento, em que a defesa pode rebater os pontos da acusação.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), o ex-diretor terá agilizado irregularmente a concessão de vistos gold por forma «a agradar» ao então ministro da Administração Interna e arguido no mesmo processo Miguel Macedo. Com esta conduta, diz o MP, Palos pretenderia manter o seu cargo. 

mariana.madrinha@sol.pt