Economia

Patrões não querem salário mínimo de 530 euros

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) disse esta quarta-feira que irá propor na reunião de concertação social um aumento do salário mínimo inferior a 530 euros, valor proposto pelo Governo, lê-se no site do Diário de Notícias.

"Já fizemos as contas. Com base nos indicadores de produtividade, crescimento da economia e inflação, que são facilmente demonstráveis e mensuráveis, encontramos (...) um valor que é inferior aos 530 de que o Governo vem falando", disse António Saraiva esta manhã aos jornalistas.

O presidente do CIP não revelou o valor que será apresentado, dizendo apenas que “todos os parceiros têm a capacidade de trazer os seus cálculos e de demonstrar o racional dos números que apresentem. Nós apresentaremos os nossos, o Governo já apresentou o seu e os sindicatos apresentarão o seu racional de aumento".

"Admito que o salário mínimo se possa discutir para uma legislatura, com escalonamento ano após ano, mas sempre com base em critérios objetivos [produtividade, crescimento da economia e inflação], mas também tendo em conta os custos de contexto [caso da diminuição da burocracia e da redução dos custos da energia]", afirmou.

O Governo do PS reúne-se esta quinta-feira pela primeira com os parceiros sociais.

"A minha expectativa é a de que o Governo traga abertura neste início de diálogo com os parceiros sociais para podermos ter um diálogo franco e construtivo naquilo que importa às atividades económicas e que gere estabilidade e confiança", acrescentou António Saraiva.