Internacional

Trump derrotado na primeira filtragem das primárias norte-americanas

A vitória de Ted Cruz sobre Donald Trump no campo republicano foi o grande estaque da primeira noite eleitoral de uma longa maratona que em novembro determinará o sucessor de Barack Obama. O Iowa, que já levou Hillary a festejar com “grande alívio” alívio uma vitória ainda não confirmada sobre Bernie Sanders, também já começou a filtragem, com um candidato em cada partido a anunciar a desistência.

Numa ultrapassagem de última hora em relação ao previsto pelas sondagens, o conservador Ted Cruz obteve 27,7% das preferências dos 185 mil republicanos que participaram nas mini convenções realizadas no Iowa – o Estado realiza ‘caucuses’ e não primárias tradicionais de voto em urna. Logo atrás ficou o favorito Donald Trump, com 24,3%, enquanto Marco Rubio se assumiu como o principal candidato do aparelho partidário ao obter 23,1%.

Na hora de celebrar a importante vitória, Ted Cruz apontou ao grupo que compõe a sua principal base de apoio: “Este resultado prova que as primárias republicanas não serão decididas pelos media nem pelos lobistas, vão ser decididas por nós, o povo”. Através do tradicional “we, the people”, Cruz recorda as ligaçãos ao grupo conservador do Tea Party, que lhe deu uma importante vantagem sobre o rival da ala direita republicana: Donald Trump, que motivado pelas sondagens agia como se já fosse o nomeado, viu o tradicional voto religioso sobrepor-se ao seu grupo de novos eleitores antissistema.

Quem já não participará nas primárias de New Hampshire, a segunda etapa desta maratona que se realiza dia 9, foi Mike Huckabee, também ele um representante da ala mais conservadora, que em 2008 venceu no Estado com 34,4%. Agora, depois de ter obtido apenas 1,8% dos votos, decidiu anunciar no Tweeter que irá “suspender” de imediato a campanha presidencial.

“Seguiremos em frente para vencer a nomeação republicana”, disse Trump ao admitir a derrota, que mostrou não perder o positivismo ao garantir que irá vencer “facilmente Hillary ou Bernie ou seja quem for que eles [democratas] apresentem”.

No lado do partido de Obama, as dúvidas vão aumentando numa corrida que se previa apenas um passeio para a ex-Secretária de Estado Hillary Clinton. Já durante a madrugada do Iowa, Hillary falou aos eleitores em Des Moines com um “grande suspiro de alívio”. Foi mais longe ao “congratular os opositores” já depois de Martin O’Malley ter anunciado o seu abandono da corrida democrata: “Estou ansiosa para continuar o debate com Bernie Sanders sobre a melhor forma de lutar pela América”, disse a candidata derrotada por Obama em 2008, numa espécie de discurso de vitória.

Mas o seu rival Bernie Sanders, que representa a ala mais esquerdista do partido, diz que os resultados desta segunda-feira representam “um empate técnico” - com 99% dos votos contados, a ex-senadora segue com 49,9% contra 49,5% do rival, embora tenha mais um delegado atribuído (22 contra 21). 

Quem aproveitou de imediato foi o Comité Nacional Republicano, que celebrou uma noite “que não foi menos do que um desastre para Hillary Clinton e para o Partido Democrático”. Segundo a direcção nacional do partido da oposição, “o aparelho democrata esperava uma coroação para Hillary Clinton mas enfrente agora a ameaça de um autoproclamado socialista que pode vir a ser o seu nomeado”.

nuno.e.lima@sol.pt