Politica

CCB: João Soares debaixo de fogo

A demissão do presidente do CCB, António Lamas, continua a ser alvo de críticas de vários setores.

António Vitorino considerou “inexplicável” a forma como João Soares demitiu o gestor cultural. “Os ministros têm legitimidade para fazerem as demissões que quiserem. Mas acho que a forma escolhida [para demitir Lamas] teve um sabor a ultimato e é inexplicável”, criticou o ex-ministro socialista. Vitorino falava terça-feira à noite no seu espaço de comentário na SIC Notícias, 24 horas depois de João Soares ter chamado Lamas à Ajuda para o demitir.

Também Teresa Gouveia, que foi secretária de Estado da Cultura (1985-90) e ministra dos Negócios Estrangeiros, atacou os termos da demissão. “Em 40 anos de democracia, nunca presenciei, como agora, um tal espetáculo de grosseria e despudor e de falta de respeito pelo serviço público por parte de um político com responsabilidades públicas”, escreve Teresa Gouveia em artigo de opinião no “Observador”. Título do artigo: “O inominável”.

A demissão anunciada de António Lamas e a nomeação de Elísio Summavielle deu também origem a um abaixo-assinado online para demitir João Soares. O ministro respondeu ontem no Facebook: “Se pensam que me intimidam, desenganem-se.”