Economia

Galp revê programa de investimento até 2020

A Galp Energia vai reduzir o seu investimento entre 2016 e 2020. O investimento médio anual deverá rondar 1,2 milhões de euros, uma redução de 15% em relação às metas anteriores. Em 2016, o ano em que o investimento no Brasil e Angola atingirá o valor mais elevado, o capex deverá situar-se entre 1,1 mil milhões e 1,3 mil milhões neste ano. As informações foram avançadas pela petrolífera no âmbito do Capital Markets Day 2016.

"Os grandes pilares da estratégia hoje divulgada em Londres consolidam o perfil da Galp, enquanto empresa integrada de energia, através do desenvolvimento da sua carteira de projetos de classe mundial, e na criação de valor adicional nos seus negócios de downstream e gás", revela a empresa em comunicado.

Para ir ao enconrtro desta estratégia, a área de exploração/produção irá absorver cerca de 85% do investimento programado para os próximos anos.

Já o ritmo de crescimento da produção working interest de petróleo e gás mantém-se em relação às metas estabelecidas no plano anterior, com uma taxa média de crescimento anual (CAGR) entre os 25% e os 30% para o período 2015-2020. "Este crescimento é sustentado nos projetos em operação ou já sancionados", salienta.

Na área de refinação/distribuição as prioridades passam pelo aumento da eficiência energética e processual, assim como pela otimização de custos e do capital empregue, de forma a sustentar a geração de cash flow. "A integração contínua das atividades de refinação e distribuição e o crescimento em novos mercados são igualmente considerados importantes", refere também.

Já no gas/power, a Galp vai continuar a trabalhar para diversificar as suas fontes de aprovisionamento e para aumentar a atividade comercial na Península Ibérica e noutros mercados internacionais.

Em termos financeiros, as perspetivas apontam para um crescimento médio anual (CAGR) do Ebitda de cerca de 15% entre 2015 e 2020, considerando um preço do barril de Brent de 35 dólares em 2016 e um aumento gradual até aos 70 dólares por barril em 2020. É esperado que o Ebitda de 2016 se situe entre 1,2 mil milhões e 1,3 mil milhões de euros.

A proposta de distribuição do dividendo relativo ao exercício fiscal de 2015 é de 0,41 euros por ação, de acordo com a política de dividendos em vigor que prevê um aumento anual de 20% até 2016. A partir de 2017, o plano de negócios assume um dividendo estável de 0,50 euros por ação.