Internacional

Espanha: o tudo ou nada para formar Governo

As tentativas de Pedro Sánchez do PSOE para formar Governo em Espanha têm sido muitas. Mas, uma vez que a vida não lhe tem sido facilitada, até hoje ainda não conseguiu. Dado o fracasso das negociações lideradas pelo PSOE para formar Governo, o Rei de Espanha, Felipe VI, resolveu esta semana dar uma ajuda.

Na terça-feira, o Rei espanhol anunciou ao presidente do Congresso dos Deputados, Patxi López, a decisão de realizar novas consultas com os representantes dos partidos, que ficaram então marcadas para 25 e 26 de abril.

Esta será a terceira ronda de consultas e Felipe VI pretende agora saber se terá de propor outro candidato que tente formar governo e que «conte com apoios necessários». Ou se, pelo contrário, deve proceder à dissolução do parlamento e convocar novas eleições gerais. À parte desta consulta, Pedro Sánchez continua a ter a sua oportunidade até ao dia 2 de maio.

Até agora, o líder do PSOE tem já assinado um acordo com o Ciudadanos. Contudo, os dois partidos não têm deputados suficientes para formar maioria, o que justifica a primeira investidura de Sánchez ter falhado.

Como Ciudadanos e Podemos se recusam a trabalhar juntos, Albert Rivera chegou mesmo a pedir a Iglesias do Podemos que pelo menos apoie a investidura para que Espanha possa, finalmente, ter Governo. Pablo Iglesias prometeu consultar os seus apoiantes sobre o acordo entre PSOE e Ciudadanos.

Apesar de a votação ter decorrido ontem, os resultados apenas serão conhecidos na próxima segunda-feira, dia 18. Na consulta, os apoiantes tiveram de responder a duas perguntas: se queriam apoiar a coligação PSOE-Ciudadanos ou, pelo contrário, preferiam uma coligação de esquerda.

Antes da consulta de ontem, Pedro Sánchez intensificou a pressão sobre Iglesias para que este permita a sua tomada de posse. «Nos 115 dias que passaram desde 20 de dezembro, Iglesias esteve sempre em campanha eleitoral. Nunca houve negociação», acusou.

Dadas as dificuldades, Pedro Sánchez começa a ficar sem tempo e há já jornais espanhóis a afirmar que o líder do PSOE perdeu toda a esperança na investidura.