Desporto

Madrid no epicentro da Champions

O sorteio das meias-finais da Liga dos Campeões dá força à hipótese de uma reedição da final europeia de Lisboa (2014), entre as duas equipas de Madrid. Depois da reviravolta frente ao Wolfsburgo, o Real vai apadrinhar a estreia do Manchester City nestas andanças, numa eliminatória que irá marcar o regresso de Pep Guardiola à capital espanhola, para o embate do Bayern com o Atlético.

Os duelos estão agendados para os dias 26 e 27 de abril e 3 e 4 de maio, já sem a presença de Barcelona, Benfica, Paris Saint-Germain e Wolfsburgo, todos eliminados na ronda anterior.

A maldição alemã

O desafio era gigante, mas o Benfica não tremeu e ainda fez o Bayern suar na Luz (2-2). Mais do que a desvantagem trazida de Munique (1-0), foi a tendência europeia que ditou a eliminação dos encarnados, que continuam sem vencer nos quartos de final da Champions (3 empates e cinco derrotas).

Coincidência ou não, certo é que a equipa de Rui Vitória acabou por provar um sabor já antes amargo ao paladar de Jorge Jesus e Julen Lopetegui. É que também o Sporting e o FC Porto foram eliminados das competições europeias por equipas alemãs (Bayer Leverkusen e Dortmund na Liga Europa).

Sem espaço para bicampeões

Rei morto, rei posto, já dizia o ditado. Com a vitória dos guerreiros de Diego Simeone sobre a arte e o talento dos pupilos de Luis Enrique (2-0), o atual formato da Liga dos Campeões irá continuar com a tendência de ter um vencedor diferente todas as épocas. Uma derrota que impossibilita o Barcelona de revalidar o título europeu e confirma a tendência dos últimos anos: é preciso recuar até aos tempos da Taça dos Campeões Europeus para encontrar o estatuto de bicampeão, conquistado pelo Milan em 1989 e 1990.

Um hat-trick para recordar

A derrota na Alemanha (2-0) obrigava o Real a operar uma remontada histórica em Madrid, apenas ao alcance de Barcelona (2012/13) e Manchester United (2013/14). O problema, para os jogadores do Wolfsburgo, claro, é que para Ronaldo não há missões impossíveis. Praticamente sozinho, fez história (mais uma) em Madrid. E logo com um hat-trick (3-0), o terceiro na presente edição da Liga dos Campeões, algo nunca antes visto na história da competição.

Com o dobro dos golos marcados por Lewandowski e Suárez (ambos com 8) em 2015/16, o internacional português está a apenas um golo de igualar o seu recorde de 17 tiros certeiros em apenas uma edição da prova milionária da UEFA. Os merengues esfregam as mãos.

Investimento milionário sem retorno

O dinheiro não é tudo, que o diga o Paris Saint-Germain, que viu mais uma vez o sonho europeu esfumar-se aos pés do Manchester City, numa espécie de tira-teimas milionário dos ‘quartos’. Após 559 milhões de euros investidos nos últimos quatro anos em reforços para o plantel, Nasser Al-Khelaifi, proprietário do emblema francês, continua a ver o PSG ficar à porta das meias-finais da Champions pela quarta época consecutiva. Mais sorte teve o Manchester City, que com a vitória (1-0) no Etihad vai discutir o acesso à final europeia pela primeira vez na sua história.