Cultura

AC/DC: Brian Johnson diz que a sua carreira não terminou

AC/DC confirmaram recentemente que a digressão Rock or Bust the World continuará com Axl Rose no lugar do lendário vocalista da banda australiana.

AC/DC: Brian Johnson diz que a sua carreira não terminou

DR  


Dias depois da confirmação de que Axl Rose substituiria mesmo Brian Johnson na digressão Rock or Bust the World, o vocalista de AC/DC brigado a deixar os palcos devido a problemas auditivos, dirigiu-se aos fãs num detalhado comunicado sobre o seu afastamento, em que explica o que o levou a tomar a decisão e fala sobre aquele que foi o “dia mais negro” da sua carreira.

“A 7 de março, depois de vários exames feitos por médicos especializados em perda de audição, fui avisado de que se continuasse a atuar em grandes concertos arriscava ficar completamente surdo”, escreveu Brian Johnson. “Ao mesmo tempo que nesse dia fiquei horrorizado com a realidade da notícia, já algum tempo que me vinha apercebendo que a minha perda parcial de audição estava a começar a afetar o meu desempenho em palco.”

 Não consigo imaginar-me a seguir em frente sem fazer parte disto, mas por agora não tenho escolha

“Estou mais destroçado do que alguém possa imaginar. A experiência emocional pela qual estou a passar é pior do que qualquer coisa que tenha sentido antes”, desabafou o músico. “Ser parte dos AC/DC, gravar discos e aturar para os milhões de fiéis seguidores da banda ao longo dos últimos 36 anos foi o trabalho da minha vida. Não consigo imaginar-me a seguir em frente sem fazer parte disto, mas por agora não tenho escolha. A única coisa que é certa é que continuarei sempre com os AC/DC em cada concerto, em espírito se não for em pessoa.”

Johnson, que se tornou vocalista de AC/DC em 1980, depois da morte de Bon Scott, explicou que ultimamente tinha já alguma dificuldade em ouvir os restantes músicos em palco. “Os nossos fãs merecem uma performance ao mais alto nível, e se por alguma razão eu não conseguir estar a esse nível eu não vou desapontá-los ou embaraçar os outros membros dos AC/DC”, prosseguiu o músico de 68 anos no comunicado, em que acrescentou que não queria ter parado agora. “Não sou um desistente e gosto de terminar o que começo”, afirmou. “No entanto, os médicos deixaram claro para mim e para os meus companheiros de banda que não tinha escolha a não ser não dar os próximos concertos e possivelmente outros mais além.”

A única coisa que é certa é que continuarei sempre com os AC/DC em cada concerto, em espírito se não for em pessoa

Isto porque, apesar de estar impedido de dar concertos em estádios ou grandes salas, não tenciona deixar a música. “Os médicos disseram-me que posso continuar a gravar em estúdio e eu tenciono fazê-lo”, assegurou. “De momento, o meu foco está no meu tratamento para melhorar a minha audição. Espero que com o tempo a minha audição melhore e me permita voltar a atuar ao vivo.”

Os AC/DC anunciaram no fim de semana que a digressão internacional que tinha sido interrompida com a paragem de Johnson e que passa a 7 de maio por Lisboa, com um concerto no Passeio Marítimo de Algés, prosseguirá com a voz a ser assegurada por Axl Rose. A Everything Is New continua sem estar em condições de avançar se poderá reembolsar o valor dos bilhetes.

Os comentários estão desactivados.