Economia

Mais de 90% dos imóveis do Santander Totta que foram a leilão foram vendidos

Dos 135 imóveis do Santander Totta que foram a leilão foram vendidos cerca de 92%, num valor global de vendas acima dos 8 milhões de euros.


O evento realizou-se no passado fim-de-semana em Lisboa e no Porto e, de acordo com a entidade promotora a Euro Estates, foi registado um "verdadeiro recorde de vendas".

Estes imóveis estavam localizados de norte a sul do país, incluindo imóveis do Algarve, desde moradias, a T3 e T1, com valores de saída mais competitivos em relação ao valor de mercado 

Nas duas semanas antes do leilão foram realizadas mais de duas mil visitas.

Tal como acontece noutros leilões do género, estes imóveis apresentam “preços significativamente abaixo do mercado e, como tal, representam um processo de compra facilitado e com condições de crédito com spreads mais atractivos”, explicou a mesma fonte. Ou seja, de acordo com o mesmo, é possível encontrar “excelentes oportunidades de negócio”.

Como funcionam os leilões

Avaliar o estado, os acessos e a zona envolvente do apartamento são alguns dos factores a ter em conta. Mesmo que, aparentemente, os imóveis em mau estado representem um bom negócio, será sempre necessário calcular o custo total das obras e o seu impacto no valor final. Embora o prédio, a moradia ou o apartamento possam ser arrematados sem que o comprador o tenha visto, o risco fica sempre por conta do comprador.

Fazer uma pesquisa de mercado para obter os preços das habitações que estão à venda nas redondezas será outro cuidado a ter. Conhecer os valores praticados nas áreas envolventes será mais um trunfo para se conseguir um bom negócio. A estratégia de compra com recurso a crédito implica também falar com vários bancos antes do dia do evento. E convém sempre contabilizar as despesas de sinal, obras, registos e escritura.

Os que estão interessados em adquirir imóveis que vão a leilão não podem esquecer-se também de estipular o valor máximo pelo qual estão dispostos a licitar. Segundo os especialistas, os leilões têm uma carga emocional muito grande, pelo que é fácil perder a noção do preço da casa.

No dia do evento, quem arrematar o imóvel terá de pagar um sinal. Este valor é, no entanto, inferior ao que é pago pelo método tradicional e varia geralmente entre os 5% e os 10%. Mas não se esqueça que a desistência implicará perder o valor do sinal.