LifeStyle

Crianças. Demora mais fazer um puré de fruta ou comprá-lo?

O açúcar e os alimentos processados são maus para todos, mas esta premissa é especialmente importante para as crianças. No Dia Mundial da Criança falámos com Maria de Oliveira Dias, autora do blogue The Love Food, sobre alimentação infantil, e ainda lhe pedimos umas dicas para o ajudar a escolher os lanches mais saudáveis para os seus filhos. Afinal, fruta é fast food

Sair de casa, entrar no carro, guiar até ao supermercado mais próximo. Fazer as compras, esperar na fila, pagar. Voltar pelo mesmo caminho, despejar sacos e carregá-los até casa. Tudo isto para que em casa não faltem as papas processadas, os cereais e iogurtes, o chocolate em pó para o leite, as bolachas, enfim, toda a panóplia de alimentos associada, por exemplo, ao pequeno-almoço dos mais pequenos. “Demora mais isto ou fazer puré de fruta caseiro [leia-se, descascar duas maçãs, pô-las a cozer e triturá-las]?” A pergunta podia ser nossa, mas é de Maria Oliveira Dias, 34 anos, atriz de formação e bloguer a trabalhar atualmente em gestão de imobiliária e financeira, atividade que concilia com a empresa The Love Food, um prolongamento das receitas saudáveis que começou a publicar há anos no blogue homónimo.

Maria é vegetariana desde os 12 e vegana há muitos anos. “Ser vegetariano não quer dizer que se é saudável. Eu comia muito mal, muitas coisas processadas e enlatadas”, conta. Em criança, o açúcar refinado era presença diária. “Cresci a comer Nestum de chocolate. E ainda lhe punha açúcar por cima. Refinado!”, conta.

Há seis anos, como a própria diz, o corpo colapsou. Não tinha energia, estava constantemente doente. Mudou a sua alimentação, passou a comer produtos biológicos e sazonais - mantra que os produtos que cria e comercializa seguem à risca - e rapidamente recuperou a saúde.

Há um ano e dois meses teve um bebé. “Quando pensei que tinha de alimentar aquela criatura de forma equilibrada, dar-lhe energia e nutrientes saudáveis para crescer, confesso que me assustei.” E assustou-se ainda mais com a realidade que encontrou. “Sou seguida no SNS. As papas aconselhadas pelos médicos, feitas de farinhas refinadas e açúcar e sem quaisquer nutrientes válidos, são um crime e não há uma única alternativa do género saudável no mercado.” Mas depressa descobriu que alimentar uma criança sem recorrer às ditas papas era muito simples. “Cozer quinoa, millet ou cevada demora dez minutos, junta-se fruta, tritura-se e aí está uma papa pronta”, sugere. E adoçar a comida dos mais pequenos é uma tendência dos adultos de que as crianças não precisam. “Nós esquecemo-nos que eles não têm um palato como o nosso, já viciado.” E o açúcar, está cientificamente provado, vicia. “Por exemplo, o meu filho só come açúcares naturais, como o das tâmaras.”

A premissa “somos o que comemos” é, para Maria de Oliveira Dias, ainda mais importante para as crianças. “É a altura em que o corpo se desenvolve. O que comemos nos primeiros anos de vida é o mais importante para todos os anos em que a pessoa irá viver. Encher um bebé que mal acabou de mamar de açúcares é uma péssima ideia. Obviamente que nos dizem que não faz mal, que toda a gente cresceu a comer certas coisas, mas basta vermos o número crescente de pessoas com depressões, doenças autoimunes e afins para chegarmos à conclusão de que, se calhar, não é assim tão inteligente.” E a ideia de que fazer este tipo de alimentação exige muito dinheiro é errada, explica Maria. “Basta comprar os produtos de cada estação. O nosso corpo é muito inteligente. No verão pede-nos alimentos com mais água, como tomates e melancias; no inverno, tubérculos. A natureza está assim feita por algum motivo, é uma questão de respeitarmos.” Este respeito pelos ciclos deve ser usado, na opinião de Maria, para que as crianças cresçam mais saudáveis. E relembra os números publicados no relatório Portugal - Saúde Mental em Números 2015, elaborado pela DGS, que revelaram que, em 2015, as crianças portuguesas tomaram cinco milhões de doses de calmantes. “Com a quantidade de açúcar, que provoca picos de glicemia, há cada vez mais miúdos com problemas de hiperatividade que não conseguem gastar a energia fechados em casa.” A ainda curta vida do seu bebé está a provar-lhe que tem razão. “Nunca ficou doente, tem umas bochechas ótimas, nem demos por os dentes nascerem.”

 Maria abastece a despensa numa quinta onde compra os produtos diretamente. “Basta encontrar o sítio certo, há cada vez mais opções. Costumo dizer que o supermercado é o pior sítio para se fazer compras, está cheio de tentações.” E as tentações podem trazer uma fatura, mesmo que tardia, demasiado alta.

Dicas para lanches mais saudáveis:

Frutos Secos

Um punhado de amêndoas e fruta é um ótimo lanche, sugere Maria de Oliveira Dias. Podem ainda ser triturados até ser obterem manteigas saudáveis

Tâmaras

Um dos melhores adoçantes naturais do mundo, as tâmaras podem ser adicionadas a tudo. Os alperces e ameixas secos também são opção

Aveia

Aveia, millet, arroz integral, quinoa, etc. É possível fazer papas de quase tudo. Pode adoçá-las com fruta fresca e tâmaras, por exemplo

Fruta

A fast food por excelência pode ser consumida, para os mais esquisitos, em puré ou até desidratada. Também é um adoçante natural

Grão

Em vez de pão com cremes doces de barrar, montes de queijo e manteiga, Maria de Oliveira Dias sugere hummus, pasta feita de grão de bico triturado

Iogurte

Não é preciso comprar iogurtes cheios de açúcar. Basta juntar quefir a um leite da sua escolha e passados uns dias tem um iogurte (sim, o quefir faz tudo sozinho)