Politica

Costa apoia recandidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto

O PS abdica de candidatura própria no Porto. Costa anuncia revolução descentralizadora

O secretário-geral do PS defende que o partido não apresente nenhuma candidatura à Câmara do Porto e dê o seu apoio ao actual presidente da Câmara, Rui Moreira. “Sou militante do PS desde os 14 anos. Gosto muito do emblema da mãozinha. O maior disparate que podíamos fazer era em nome do emblema da mãozinha sacrificarmos a boa gestão de uma cidade”, disse António Costa no discurso de encerramento do Congresso do PS. Era este o entendimento do presidente da Federação do Porto, Manuel Pizarro, mas o assunto não estava a ser pacífico.

António Costa anunciou ontem também uma quase revolução descentralizadora, a aplicar já nas próximas autárquicas de 2017, com eleições directas para as presidências das Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto e o fim da nomeação pelo governo dos presidentes das comissões de coordenação regional (CCDR). No novo quadro, os presidentes das CCDR “terão legitimidade de base regional”.

“Há um passo que temos que dar. Façamos de uma vez por todas a descentralização! A partir das próximas autárquicas , os presidentes das CCDR passam a ser eleitos pelos autarcas da respectiva região”, disse Costa, que quer alterar a legislação até ao fim do ano “em homenagem aos 40 anos das primeiras eleições autárquicas”, que se realizaram em 1976.

Afirmando a autoridade de quem fez “a melhor reforma das freguesias efectivamente descentralizadora” e de quem “em seis meses de primeiro-ministro não se esqueceu dos 8 anos de presidente da Câmara”, Costa afirma que “Câmaras, freguesias e Áreas Metropolitanas estão em melhores condições de exercer muitas das funções que o Estado hoje realiza”.