Internacional

Sindicatos voltam a manifestar-se hoje em França

Manifestação tinha sido proibida mas governo voltou atrás. Permite mas com regras

O governo francês recuou na intenção de impedir os sindicatos de se manifestarem hoje e deu luz verde para que os protestos se realizem.

A notícia foi divulgada pelo secretário-geral da CGT, Philippe Martinez, depois de uma reunião de emergência com o executivo. “Depois de conversas difíceis com o ministro do Interior [Bernard Cazeneuve], as organizações sindicais e estudantis conseguiram obter o direito de manter a manifestação, mas com uma rota proposta pelo Ministério do Interior”, informou Martinez.

Contudo, há regras: o percurso não será o escolhido inicialmente. Os manifestantes farão um percurso de 1,6 quilómetros, mais afastado do centro de Paris, junto à Praça da Bastilha.

Para os secretários-gerais da CGT, Philippe Martinez, e da FO, Jean-Claude Mailly - as duas principais centrais sindicais francesas -, a autorização do governo é um passo muito importante que representa “uma vitória da democracia”.

Proibição A decisão inicial do governo francês era impedir a manifestação. O anúncio chegou mesmo a ser feito. “Considero que não há outra escolha a não ser a interdição da manifestação”, informou a Prefeitura de Paris através de comunicado.

Se realmente tivesse sido impedida, esta seria a primeira vez desde 1958 que o executivo francês proibia uma manifestação organizada por sindicatos. No comunicado, a prefeitura explicava que era uma “decisão de gestão operacional de ordem pública”, para impedir que os manifestantes provocassem os mesmos estragos que no protesto anterior.

Estas manifestações duram desde março mas pioraram em maio, quando o governo aprovou a reforma laboral. A manifestação que hoje decorre é a 10.a e está ainda marcada outra para dia 28.