Desporto

A convocatória da Islândia que se tornou uma piada

A federação da Islândia revelou como chegou aos últimos 23 nomes. É tudo uma questão de estatística.

As exibições da seleção da Islândia têm enchido o olho aos adeptos, e não só islandeses. Depois de terem passado o grupo F à frente de Portugal - relegando a equipa de Fernando Santos para o terceiro lugar - e terem assegurado o segundo lugar (graças aos empates com Portugal 1-1 e Hungria 1-1 e a vitória final sobre a Áustria 2-1), o conto de fadas parece continuar.

Nos oitavos-de-final, a Islândia defrontou a Inglaterra e, novamente, impôs o seu futebol. Começou a perder com um penálti cedo (convertido por Rooney) e deu a volta. Venceu 2-1 e causou uma das maiores derrotas da história dos ingleses. A Islândia, claro, continuou em festa. Com os seus adeptos, como se viu no final do jogo, e agora com a federação do país. 

O post que a federação islandesa de futebol colocou ficou viral e é, mais ou menos, a explicação de como chegaram aos últimos 23 nomes para poderem ser convocados para o Euro 2016. Sendo que parte dos 330 mil habitantes, metade são mulheres, 40 mil têm menos de 18 anos e 80 mil têm mais de 35 anos. ainda há os da indústria baleeira (1246), os da observação aos vulcões (164) e terramotos (314) e os ocupados no pastoreio de ovelhas (1934) e na tosquia de ovinos (1464).

Calma há mais impossibilitados de serem escolhidos como, óbvio, os banqueiros presos (23). Há ainda os cegos (194), doentes (7564). E os que trabalham em hospitais, polícia e bombeiros (564). Como tem de haver espaço para os adeptos, que são quase 9 mil, sobram os tais 23. Sendo que nem houve ninguém para o cargo do selecionador e a federação teve de ir à Suécia o Lars Lagerbaeck. 

Sentido de humor? Muito. E futebol também, pelos vistos.