Sociedade

DECO lança pacotes de descontos em consultas de resposta demorada no SNS

Um é de subscrição gratuita e garante consultas entre 20 e 35 euros para Oftalmologia, Saúde Oral, Psicologia Clínica e Nutrição

A DECO anunciou hoje que estão concluídas as negociações para lançar dois planos de saúde com vista a facilitar o acesso a consultas de especialidade em áreas em que a resposta do Serviço Nacional de Saúde tende a ser mais demorada.

Um dos planos, de subscrição gratuita, permitirá ter acesso a consultas de quatro especialidades (Oftalmologia, Saúde Oral, Psicologia Clínica e Nutrição) a preços entre os 20 e os 35 euros, abaixo do cobrado nas clínicas privadas (isto, claro, quando não se tem já um seguro de saúde ou se é beneficiário de um subsistema como a ADSE).

Este plano – DECO+Saúde – abrange ainda serviços na área do bem-estar – como SPA e tratamentos estéticos, com descontos que variam entre os cinco e os 30 por cento, de acordo com o prestador, informa a DECO.

O segundo plano funciona mais com um plano de saúde multi-especialidades normal, já que implica o pagamento de uma mensalidade. Para os associados da DECO tem um custo de cinco euros mensais e, para os não associados, de 6,5 euros.

Este segundo plano - DECO+Saudável - abrange todas as especialidades médicas disponibilizadas pela rede do parceiro, a Saúde Prime, que conta com um universo de 25 mil prestadores. Os preços das consultas variam entre os 30 e os 40 euros.

De acordo com a informação disponível no site desta empresa, se subscrever este plano diretamente na Saúde Prime, o custo mensal é de 10,50 euros, portanto a iniciativa da DECO garante um desconto de quatro euros/mês.

Mais de 6000 pessoas já manifestaram interesse

Para ter acesso a estes planos através da DECO é necessário o registo o site www.deco.proteste.pt/campanhas/maissaudeja/. Até ao momento, 6982 manifestaram interesse em aderir.

Em comunicado, a associação salienta que a iniciativa resulta da constatação de que o acesso a consultas de algumas especialidades ainda é bastante difícil no quadro do SNS, “seja por falta de capacidade instalada, por falta de profissionais ou devido à inexistência de uma rede que abranja todo o país.” A DECO considera que o ministério está a trabalhar na dotação da capacidade do SNS e anunciou que, até 2018, áreas como cuidados de saúde primários estarão mais acessíveis. “Para esta meta ainda faltam três anos e há portugueses que já precisam ou vão precisar de cuidados de saúde nestas áreas e que não podem continuar à espera”, refere a associação.

“Os dois planos negociados permitem a sua utilização imediata, não têm período de carência, não existe qualquer exclusão associada à idade do subscritor, não tem idade limite de permanência, não tem limites de utilização, nem limites de plafonds”, garante ainda a DECO.

E se forem precisos exames e análises?

O plano de subscrição gratuita garante 10% de desconto nos exames e tratamentos necessários em saúde oral e oftalmologia. O plano com mensalidade de 6,5 euros tem uma tabela de preços variável com alguns descontos em exames e tratamentos, inferiores de qualquer forma ao que é a comparticipação caso prefira aguardar por uma consulta no SNS. Por exemplo uma colonoscopia total terá o custo de 110 euros quando, com credencial do SNS, o custo da taxa moderadora por este exame é de 14 euros para o utente.