Desporto

Vitória polémica de Hamilton na Áustria

Uma ultrapassagem ousada na última volta lançou Lewis Hamilton para a vitória na nona prova do Mundial de Fórmula 1 e colocou em apuros o alemão Nico Rosberg, companheiro na Mercedes.

Hamilton conseguiu ultrapassar Rosberg à entrada para a derradeira das 71 voltas ao circuito Red Bull Ring, em Spielberg, mas o líder do Mundial defendeu-se de forma aguerrida na travagem para a curva seguinte, obrigando o britânico a sair momentaneamente da pista.

No regresso à trajetória, o bicampeão mundial em exercício e o colega de equipa tocaram-se, tendo Rosberg ficado com a asa dianteira danificada, acabando por ser ultrapassado pelo holandês Max Verstappen (Red Bull) e pelo finlandês Kimi Räikkönen (Ferrari), segundo e terceiro classificados, respetivamente.

Rosberg, que conservou a liderança do campeonato, mas viu Hamilton reduzir de 24 para 11 pontos o atraso no segundo lugar, está agora a ser investigado por ter fechado a porta ao britânico e por ter concluído a prova em ritmo muito lento, colocando em risco a sua segurança e a dos outros pilotos.

Hamilton, que tinha partido da pole position, terminou com o tempo de 1:27.38,107 horas (média de 210,203 km/h), batendo por 5,719 segundos o holandês Max Verstappen (Red Bull) e por 6,024 o finlandês Kimi Räikkönen (Ferrari), enquanto ‘arrastou’ o Mercedes até cruzar a meta a 16,710 do vencedor, no quarto lugar.

O piloto britânico, que já conquistou três títulos na disciplina rainha do desporto automóvel (2008, 2014 e 2015), obteve a 46.ª vitória na categoria rainha do desporto automóvel, tendo vivido um fim de semana muito produtivo na Áustria, ao contrário de Rosberg.

As desventuras do líder do Mundial começaram ainda nos treinos livres, com um acidente que o obrigou a mudar a caixa de velocidades – que, de acordo com os regulamentos, tem de resistir a, pelo menos, seis corridas -, acabando por ser penalizado em cinco lugares na grelha de partida para a corrida de hoje.

O germânico até conseguiu emendar a mão durante a prova, mas não resistiu ao assalto final de Hamilton, o último capítulo de uma corrida atribulada, que esteve neutralizada durante cinco voltas devido ao acidente aparatoso do alemão Sebastian Vettel (Ferrari).

Vettel, que foi também penalizado com a perda de cinco posições no arranque, pelo mesmo motivo de Rosberg, despistou-se em consequência do rebentamento de um pneu, numa altura em que liderava, levando à entrada em cena do safety car, entre a 27.ª e a 32.ª voltas.