Desporto

A análise de Maradona sobre Ronaldo e Bale

O antigo jogador argentino diz que Ronaldo tem estado "cinzento" e Bale tem sido mais decisivo.

Gareth Bale deu mais à sua equipa do que Cristiano Ronaldo a Portugal. Esta é a análise de Maradona aos dois jogadores antes da meia-final desta quarta-feira no Euro 2016.

“É um duelo entre o ataque direito e esquerdo do Real Madrid. Falamos de um jogo de equipa, mas temos de olhar para individualidades como Ronaldo e Bale, se os tivermos. Têm controlo de bola, velocidade e remate, o que os torna especiais”, escreveu o argentino na sua coluna no Times of India. "Podem os dois criar o momento decisivo”, mas defende que Bale tem sido mais útil à sua seleção.

“Antes da competição rir-nos-iamos se nos dissessem que o País de Gales, que esteve nos quartos-de-final na sua única ida a um Mundial, em 1958, ia jogar as meias-finais contra Portugal”, escreveu. Mas demonstram em campo que "são tudo menos novatos no seu primeiro Europeu” e que a equipa de Cris Coleman tem demonstrado uma grande disciplina tática.

“Os rapazes de Chris Coleman têm-se adaptado bem ao moderno esquema 3-5-2. Abençoados com uma peça de talento na frente, preferem criar oportunidades no contra-ataque”, analisou.

Em relação a Portugal, Maradona considera que a seleção portuguesa se destaca dos outros semifinalistas, com um percurso mais complicado nos cinco jogos e “amadurecido taticamente”.

“O seu talismã (Cristiano Ronaldo) tem estado cinzento, mas os restantes compensaram isso em grande medida, jogando uns para os outros, algo muito valioso na fase a eliminar”, justificou o ex-futebolista, dizendo que isso mostra “a força” de Portugal.

O argentino não ficou também indiferente ao médio Renato Sanches. “Desmentiu a sua idade para se converter numa presença enorme no meio-campo”, elogiou Maradona, lembrando também o defesa Pepe, “a solidez da defesa”.

Maradona entende que o País de Gales terá um ligeiro favoritismo, mas que a capacidade individual pode ser decisiva e que Portugal tem quem possa fazer essa diferença.

“Aos 31 anos (Cristiano Ronaldo) estará a considerar que esta é a sua última oportunidade de alcançar a glória internacional”, concluiu.