Desporto

Jogadores vão voltar a Belém para serem condecorados

Não havia medalhas e as condecorações dos jogadores e da equipa técnica têm de ser publicadas em Diário da República

Os jogadores da seleção portuguesa ouviram ontem rasgados elogios do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém. Todos os jogadores vão ser condecorados com o grau de Comendador da Ordem do Mérito. Ontem receberam um “alvará de concessão de ordem honorífica” e nos próximos tempos - ainda não existe uma data concreta - voltarão a Belém para receberem as medalhas.

“As medalhas ainda não estão feitas e serão entregues oportunamente”, explicou ao i fonte da Presidência. Além disso, as condecorações dos 23 jogadores e da equipa técnica liderada por Fernando Santos têm de ser publicadas previamente no Diário da República. A intenção do chefe de Estado de receber os jogadores nesta segunda-feira, numa varanda exterior do Palácio de Belém, foi anunciada antes do jogo com a França. Marcelo afirmou, após a vitória de Portugal, que iria condecorar toda a equipa.

A homenagem foi feita ao início da tarde. “São os melhores da Europa pela competência, pela capacidade de trabalho, pela inteligência, mas também pela unidade (...) Foi essa humildade e esse espírito coletivo que nos deram a vitória”, disse o Presidente da República à equipa.

Marcelo Rebelo de Sousa não esqueceu que “continuamos a ter problemas económicos, políticos e sociais. O dia de hoje é, nesse sentido, igual ao de ontem. Mas não é. Há uma diferença: a diferença foi o vosso exemplo do que é ganhar com coragem, determinação, capacidade de luta, humildade e espírito de equipa. Hoje temos mais razões para acreditar em Portugal”.

Marcelo rezou “muitos terços” O Presidente elogiou a “liderança tão eficiente, tão inteligente, tão calma, que nunca teve medo de nada” do treinador Fernando Santos. Mas também não poupou nos elogios aos jogadores. O “toque de calcanhar” de Cristiano Ronaldo ou “a defesa” de Rui Patrício que permitiu a passagem às meias-finais. “Não há génios. É tão importante um golo marcado com um calcanhar genial como a defesa de um penálti que nos dá a vitória.” O Presidente da República confessou que rezou “muitos terços” para que a equipa portuguesa tivesse sucesso. “Ainda vou a Fátima por conta disso”, admitiu o Presidente, citado pela Rádio Renascença.

O Presidente da República e o primeiro--ministro assistiram à final com a França no domingo. António Costa disse que “só ir à final é um grande prémio, mas ganhar é único”.