Politica

Vice da CML rejeita brasões: “Os símbolos são datados e até podem ser ofensivos”

A famosa polémica dos brasões coloniais está de regresso. PSD e CDS discordam do projeto vencedor do concurso, que não repõe os brasões

Estávamos no Verão de 2014 quando rebentou em Lisboa a polémica dos brasões da Praça do Império. A Câmara, através do vereador Sá Fernandes, tinha decidido acabar com os arbustos que simbolizavam as ex-colónias, por serem símbolos “ultrapassados”. Até António Costa, presidente da CML na altura, se mostrou “supreendido” com a decisão do seu vereador, a quem pediu “informações”. 

Dois anos depois, a história repete-se. Hoje, em reunião da Câmara de Lisboa, vai ser aprovado o novo projeto dos jardins da Praça do Império sem brasões coloniais. PSD e CDS já anunciaram o seu protesto pelo desaparecimento definitivo dos símbolos que outrora existiram ali.

Fernando Medina está de férias, é Duarte Cordeiro, o número dois, que está a presidir à Câmara de Lisboa. Em declarações ao i, Duarte Cordeiro afirma que “a reação do PSD e do CDS tem como pressuposto desinformar as pessoas”. O vice-presidente da Câmara de Lisboa lembra que no projeto original feito para a Exposição do Mundo Portugu~es de 1940, da autoria do arquiteto (e realizador do filme “A Canção de Lisboa”) Cottineli Telmo não existiam brasões. Só mais tarde, nos anos 60, numa altura em que o regime queria favorecer a ideia de que não existiam colónias, mas “províncias ultramarinas”, os brasões em arbusto foram introduzidos. 

“A história é deliberadamente mal contada. As reações do PSD e do CDS têm como objetivo desinformar as pessoas. A realidade é que o projeto original de Cottineli Telmo não continha os brasões. E os símbolos estão datados e até podem ser ofensivos”, afirma ao i Duarte Cordeiro. “Não estamos a apagar nada, nem a recuperação da memória significa a recuperação de determinada simbologia”.

A Câmara vai hoje aprovar o projeto que venceu o concurso de ideias para o novo jardim da Praça do Império - e o projeto não contém brasões coloniais. Foi escolhido por um júri presidido pela antiga presidente da Assembleia Municipal Simonetta Luz Afonso. “É um júri absolutamente insuspeito”, afirma Duarte Cordeiro, que considera as posições políticas do PSD e do CDS “um absurdo”. 

“Os brasões já não existem no local há dezenas de anos! Vamos apagar o quê? Já não está lá nada!”, diz Duarte Cordeiro. “Não faz sentido esta fixação com esses brasões que são datados e cuja recuperação não faria jus nem à memória histórica nem ao projeto original”, acrescenta. 

José Sá Fernandes, o vereador que esteve no centro da polémica há dois anos, afirma também ao i que toda a conversa dos brasões “é uma história deliberadaene mal contada”. “Estamos a discutir uma coisa que não existe. A Câmara decidiu fazer um concurso de ideias e vai aprovar hoje o projeto vencedor escolhido por um júri independente. O CDS absteve-se na votação do concurso de ideias. Quem se abstém é porque aceita que exista concurso de ideias, senão votaria contra”. Para José Sá Fernandes, defender o património é defender o projeto original de Cottineli Telmo, onde não existiam brasões coloniais. O projeto vencedor do concurso, afirma Sá Fernandes, “valoriza os brasões das famílias dos descobridores”, como Afonso de Albuquerque e Vasco da Gama, que estão gravados no lago e que ficará com um acesso mais facilitados aos cidadãos. 

O vereador lembra que a câmara aprovará hoje a recuperação dos claustros do Convento da Graça: “Isto é que é defender o património”. 

O PSD contestou o desaparecimento Na reunião de hoje da Câmara de Lisboa, o PSD vai apresentar uma proposta alternativa ao projeto escolhido no concurso. Para os sociais-democratas, “a praça pode e deve ser requalificada de forma global e integrada, tendo em conta a envolvente monumental, o significado histórico e a importância turística, valorizando o espaço público, encontrando alternativa pra o estacionamento, nomeadamente de autocarros e promovendo a circulação pedonal”. O jardim “deve ser recuperado, mantendo os brasões” e a “câmara deve passar para a junta de freguesia a manutenção do jardim”.

O CDS também quer levar a votos o caso dos brasões da Praça do Império. Em declarações ao Expresso, o vereador do CDS João Gonçalves Pereira, acusa o atual presidente da Câmara de Lisboa Fernando Medina de “total desrespeito para com o anterior presidente António Costa”. 

“Esperámos dois anos para isto. O CDS está indignado pela forma e o conteúdo desta proposta”, disse João Gonçalves Pereira, que se interrogou sobre se a praça deverá mudar de nome: “Fará sentido manter o nome da praça? Os brasões do império fazem parte da nossa história, seja ela boa ou má”.