Sociedade

Sócrates. Investigação aperta a dois meses do ‘fim’

O foco dos investigadores da Operação Marquês está agora no uso da golden share do Estado na PT. A nova fase começou a ser desenhada com um post-it descoberto no Brasil pela equipa da Lava Jato. Mas existem mais trabalhos em curso: interrogatórios e até uma busca a um cofre forte.

A menos de dois meses do prazo previsto para a conclusão das investigações a José Sócrates, os investigadores da Operação Marquês estão a trabalhar em contrarrelógio.

Nos últimos dias têm sido vários os pedidos de informações sobre os arguidos feitos a entidades bancárias e as convocatórias de testemunhas e arguidos para novos esclarecimentos.

Ainda em junho foram feitas buscas a um cofre de uma pessoa do núcleo duro de Helder Bataglia, na sede do Novo Banco, e o arguido Rui Mão de Ferro foi novamente chamado para interrogatório.

Mas, nesta fase final dos trabalhos, a equipa de Rosário Teixeira tem-se centrado sobretudo nas suspeitas de influência política de Sócrates no negócio em que a Portugal Telecom vendeu a parte que detinha da Vivo à operadora espanhola Telefónica.

 

Leia mais na edição de hoje em papel do SOL.