Politica

CIP teme instabilidade 'após as férias'

"Não admitiremos  o ataque que sentimos que está permanentemente a ser feito por alguns partidos à esquerda do PS, nomeadamente o Bloco de Esquerda"

O presidente da Confederação Empresarial (CIP) prevê que tempos difíceis estão para vir, destacando a falta de investimento.

“Apesar deste sinal de melhoria que tivemos agora, nos restantes indicadores não há investimento, o crescimento não será de 1,8% e, por isso, receamos que no período após as ferias, o país possa entrar num clima de alguma instabilidade”, afirmou António Saraiva aos jornalistas, no final da reunião com o Presidente da República.

O líder da CIP alertou ainda para os ataques feitos aos empresários por parte do Bloco de Esquerda. “Também definimos ao senhor Presidente aquilo que para nós, em concertação social, são aspetos de que não admitiremos qualquer reversibilidade, nem o ataque que sentimos que está permanentemente a ser feito por alguns partidos à esquerda do PS, nomeadamente o Bloco de Esquerda, que tem sobre os empresários e sobre a iniciativa privada uma leitura de diabolização, como se o país vivesse sem empresas, sem aqueles que criam riqueza e emprego”, disse ainda António Saraiva, acrescentando que é necessário capitalizar as empresas e haver estabilidade legislativa, fiscal e laboral.