Politica

JSD de Braga ataca Hugo Soares e Montenegro por viagem paga ao Euro

Polémica dentro do PSD

A distrital de Braga da JSD “repudia de forma veemente a postura do líder parlamentar do PSD e do seu vice presidente Hugo Soares” no caso das viagens pagas para ver jogos do Euro 2016 em França.

A JSD de Braga não entende o facto de Hugo Soares, de Luís Montenegro e de Luís Campos Ferreira – todos deputados do PSD – terem viajado para ver o campeonato europeu de futebol a convite de Joaquim Oliveira, quando o PSD critica o pagamento de viagens do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, pela Galp.

“A defesa dos jovens exige que sejamos coerentes. Não podemos apregoar um caminho e os nossos representantes fazerem o contrário. Não podemos pedir explicações ao secretário de Estado dos Assuntos Fiscais que vai ao Europeu a convite da Galp e ser surpreendidos pela intimidade do líder parlamentar [Luís Montenegro] e do seu primeiro vice-presidente, Hugo Soares, com interesses empresariais”, defende o líder da JSD de Braga, Firmino Vila Verde Costa, em comunicado enviado às redações.

Firmindo Vila Verde Costa diz mesmo que “o país espera mais do PSD e o líder do partido, Passos Coelho, não merece, pelo esforço que fez pelo país, este tipo de demonstrações”.

“Não podemos condenar politicamente o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, quando o nosso líder parlamentar e o seu primeiro vice-presidente Hugo Soares aceitam participar em viagens de amigos, não dignificando e honrando as funções que exercem. Este caso é uma verdadeira pouca vergonha que não podemos aceitar de modo algum”, ataca o líder da JSD de Braga.

Recorde-se que o Observador noticiou hoje que Luis Montenegro, Hugo Soares e Luís Campos Ferreira viajaram para o Euro 2016 a convite do empresário Joaquim Oliveira, que terá custeado todas as despesas das deslocações dos deputados, enquanto o líder Passos Coelho e o secretário-geral do partido, Matos Rosa, pagaram as suas idas à final do campeonato do seu próprio bolso.

A notícia do Observador surgiu já depois de o PSD ter anunciado pela voz de António Leitão Amaro que iria questionar o Governo, através do Parlamento, sobre as viagens pagas pela Galp a Rocha Andrade, para tentar apurar se se estaria perante um “recebimento indevido” – um crime previsto na lei da responsabilidade criminal dos titulares de cargos públicos que pode ser punido com uma pena de prisão de um a cinco anos.

Apesar disso, foi apenas o CDS quem pediu a demissão do secretário de Estado, condenando o facto de ter aceite um convite de uma empresa com a qual a Autoridade Tributária – que tutela – mantém um contencioso de 100 milhões de euros.

Rocha Andrade e os outros dois secretários de Estado que viajaram a convite da Galp já anunciaram que vão reembolsar a totalidade dos gastos que foram custeados pela Galp nas deslocações que fizeram ao Euro 2016.