Politica

Portas trabalha para empresa mexicana com acordo “confidencial” com a Galp

Paulo Portas é, desde julho, conselheiro para a empresa petrolífera estatal mexicana Pemex.


A notícia foi avançada pelo jornal espanhol El Diário, que revela que a Pemex tem desde 2014 um memorando de entendimento classificado como “confidencial”.

O El Diário cita fonte uma oficial da empresa que confirma a existência do acordo, explicando que está “relacionado com o intercâmbio de informação e/ou o desenvolvimento de projetos” entre a Pemex e a Galp.

A mesma fonte diz que o conteúdo do acordo é “confidencial” e que só poderá ser tornado público em 2026.

México: mercado estratégico para empregador de Portas

O memorando de entendimento foi assinado em junho de 2014, durante uma visita do Presidente mexicano a Portugal. Nesse mesmo ano, Paulo Portas tinha estado como vice-primeiro-ministro no México onde tinha assistido à assinatura de um contrato no valor de 300 milhões de euros com a Mota Engil, empresa para a qual trabalha também como consultor desde que abandonou as funções de deputado na Assembleia da República.

De resto, o México é neste momento um dos mercados considerados estratégicos para a construtora portuguesa Mota Engil, que tem estado aí a investir sobretudo desde que a crise começou a afetar o mercado angolano.

Este ano, a Mota Engil terá uma faturação na ordem dos 500 milhões de euros no México. Um número que faz com que este seja o maior mercado para a construtora, destronando Angola.

O interesse da Mota Engil pela América Latina já vem, porém, de trás. Entre 2012 e 2015, a construtora foi duas vezes ao México e à Colômbia e uma vez ao Peru e ao Brasil sempre em comitivas lideradas por Paulo Portas.

Ao todo, foram seis as vezes que a empresa que viria a contratar Portas como consultor fez parte de visitas oficiais à América Latina organizadas por aquele que era então o responsável pela diplomacia económica do governo de Passos Coelho.

Nas várias viagens, a empresa de António Mota conseguiu sempre contratos relevantes. E em 2014 Paulo Portas chegou mesmo a ser condecorado pelo Governo do México precisamente pelo papel que desempenhou nas suas atividades de dinamizador da diplomacia económica. Um ano mais tarde, recebeu a mais alta condecoração colombiana, a ordem de Boayacá, na mesma semana em que a Mota Engil conseguiu uma concessão rodoviária na Colômbia para 256 quilómetros de estrada.

Os comentários estão desactivados.