Economia

Lesados dão acordo como certo, Finanças estudam solução sem impacto no défice

O presidente da associação dos clientes lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES) assumiu esta quinta-feira que a solução para ressarcir a maioria dos clientes foi aprovada pelo Ministério das Finanças, embora estejam previstas mais reuniões. O gabinete do ministro Mário Centeno é mais cauteloso e indica que está a ser estudada uma solução que não tenha impacto no défice.

 

Ricardo Ângelo falava aos jornalistas após uma reunião em Lisboa entre a associação e representantes do Ministério das Finanças, da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), do Banco de Portugal e do consultor do Governo, o advogado Diogo Lacerda Machado.


O presidente da associação admitiu que a solução para os lesados é complexo – implica a constituição de um fundo que pagará indemnizações, sustentado inicialmente com verbas públicas - e que ainda haverá muitas reuniões, mas garantiu que o entendimento “já não há volta atrás”.


O grupo de trabalho que desenhou uma solução para os lesados do BES entregou há um mês e meio uma proposta consensual para ressarcir a maioria dos clientes. O ministério está desde então a analisar o acordo e, apesar de admitir que houve avanços na reunião de hoje, explica que ainda há questões a definir. “Houve progressos e terão lugar novas reuniões em breve. Estamos a trabalhar numa solução que não tenha impacto no défice”, indicou fonte oficial do Ministério das Finanças.