Politica

Angola não precisa de falsos empresários locais

Eduardo dos Santos abriu o congresso do MPLA, onde será reeleito líder, com um ataque sem precedentes aos “falsos empresários"

 

O presidente angolano desferiu ontem, quarta-feira, um feroz ataque aos empresários locais que enriqueceram de forma ilícita, criando fortuna através do desvio e até do roubo de bens públicos.

Num discurso de 35 minutos que assinalou o arranque do VII congresso do MPLA, no Centro de Conferências de Belas, em Luanda, José Eduardo dos Santos considerou mesmo que o país pode e deve descartar esses “falsos empresários”.

Em contrapartida, o homem que dirige os destinos do país há quase 37 anos (desde setembro de 1979), apelou ao reforço dos apoios aos “empresários mais comprometidos com o futuro do país” e aos que sabem realizar “licitamente os seus negócios no mercado interno e externo”, classificando-os como “bons patriotas”.

“Não devemos confundir estes com os supostos empresários que constituem ilicitamente as suas riquezas, recebendo comissões a troco de serviços que prestam ilegalmente a empresários estrangeiros desonestos, ou que façam essas fortunas à custa de bens desviados do Estado ou mesmo roubados”.

Ao som dos fortes aplausos vindos dos quase 2600 delegados presentes no congresso, e sob o olhar de militantes e convidados, o presidente avisou que “Angola não precisa destes falsos empresários, que só contribuem para a sua dependência económica e política de círculos externos”.

Para José Eduardo dos Santos o futuro de Angola tem, obrigatoriamente, de passar pela diversificação do tecido económico nacional, sustentado pelas receitas das exportações de petróleo, mas sem ficar excessivamente dependente das importações.

Leia mais em ionline.sapo.pt