Economia

Preço das casas atinge máximos de quase seis anos

A área metropolitana concentrou 35,6% do número de alojamentos transacionados entre abril e junho.

O índice de preços da habitação avançou 6,3%, no segundo trimestre deste ano, face ao período homólogo. Já em relação aos três meses anteriores cresceu 3,1%, revelam os dados do Instituto Nacional de Estatística, ao atingir os 99,58 pontos, o que representa o valor mais elevado em quase seis anos.

"Os alojamentos existentes mostraram, pelo segundo trimestre consecutivo, uma taxa de variação dos preços superior ao observado para os alojamentos novos (3,5% contra 2,1%, respectivamente [face ao primeiro trimestre do ano])", acrescenta o INE. Já as taxas de variação homóloga foram de 8,5% e 1,5%, respetivamente. "No caso dos alojamentos existentes, a taxa de variação homóloga é a mais alta da série disponível", acrescenta o INE.

No período em análise, foram transacionados 31.768 alojamentos, o que representa um aumento de 29,6% face ao período homólogo e de 7,8% em relação ao trimestre anterior. Destas transacções. 26.329 são relativas a casas usadas, ou seja 82,9% do total. Face ao período homólogo, " as transações de alojamentos existentes aumentaram 34,5% e os alojamentos novos 10,2%", frisa o INE.

Em termos de valores representou 3,7 mil milhões de euros, um máximo desde o quarto trimestre de 2010. A área metropolitana foi a que concentrou 35,6% do número de alojamentos transacionados entre abril e junho (11.311 transações), o que representa um acréscimo de 2,3 pontos percentuais face ao observado no mesmo período do ano anterior e um novo máximo para o valor das vendas na série disponível", conclui o INE.