Sociedade

Assaltos a casas. Gang do Cáucaso em prisão preventiva

O SEF deteve na última semana seis pessoas no âmbito da Operação Gazua por suspeitas de diversos assaltos a residências


O Tribunal Central de Instrução Criminal decretou prisão preventiva para um gang de seis pessoas, que foram detidas pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) por assaltos a residências. A chamada “Máfia dos Ladrões em Lei” é uma organização criminosa que atuava em vários países e que era composta por cidadãos oriundos do Cáucaso.
 
As detenções foram feitas na última semana, após a realização de diversas diligências, como buscas domiciliárias.
 
Segundo fonte oficial do SEF, “o grupo criminoso fazia chegar ao território nacional e nele permanecer, de norte a sul do país, operacionais especializados na abertura de todo o tipo de fechaduras”.
 
O grupo, que atuava em toda a Europa, demonstrava “uma elevada capacidade operativa e experiência na atividade ilícita”. O SEF refere mesmo que “atuavam de modo organizado, efetuando prévias e discretas intrusões em edifícios, para se inteirarem do tipo de fechaduras e das rotinas dos moradores”.
 
Mais tarde, já “na posse desta informação e com recurso a gazuas e técnicas apuradas, introduziam-se no interior das residências, delas retirando dinheiro e objetos de elevado valor”.

Os elementos do gang agiam sempre de forma discreta para não chamar a atenção das autoridades policiais dos vários estados europeus e tinham na sua posse documentos de identidade falsos de países da União Europeia.

Gang contava com apoio jurídico

“Esta rede criminosa, cujas cúpulas estão sedeadas em Moscovo e em Tbilisi, pautou-se por seguir uma estratégia de inserção discreta na sociedade portuguesa a fim de se manter fora da atenção das autoridades. Cada elemento do grupo tinha uma função definida pela organização, que ia desde a recolha de informação sobre as residências a furtar, a intromissão nas casas, a recolha, guarda e escoamento do produto do crime, a disponibilização dos documentos falsos ou funções logísticas, como o arrendamento de casas, aquisição de viaturas e contratação de apoio jurídico, para os casos de detenção em flagrante delito, ou mesmo a prestação de apoio aos membros do grupo que estão presos”, explica o SEF.

Apesar da grande coordenação, o grupo funcionava com células autónomas estabelecidas em diferentes pontos do país, fazendo crer que não comunicavam entre si.

Durante as buscas realizadas na semana passada, e que levou à detenção de seis pessoas, foi apreendida uma “elevada quantia em dinheiro, vários objetos de valor, incluindo joias, documentos falsos e várias ferramentas destinadas ao arrombamento”. As diligências em habitações, veículos e numa ourivesaria aconteceram em Viseu, Ovar, Vila Nova de Gaia, Santa Marta de Penaguião e Peso da Régua.
Isto porque a investigação concluiu que “os valores furtados eram escoados para fora do país ou, no caso das joias, vendidos numa ourivesaria de Vila Nova de Gaia, também alvo de busca e cujo proprietário foi constituído arguido por suspeita do crime de recetação”.
 
O SEF já tinha detido alguns dos principais elementos da teia no âmbito da Operação Vory, que entretanto foram condenados a elevadas penas de prisão. Meses depois, em Maio, outra célula foi detida, no âmbito da Operação Morcego. Com esta nova Operação Gazua, são já nove os presos preventivos.

Os comentários estão desactivados.