Economia

É proibido capturar petinga mas há à venda

Pescar peixes imaturos pode extinguir a espécie

Basta abrir o Google e inserir a palavra petinga e multiplicam-se locais onde não falta o convite para provar umas boas petingas. No forno, fritas, há propostas para todos os gostos. No fundo, como se costuma dizer, é prova de que o fruto proibido é o mais apetecido. O problema é que as sardinhas precisam de cerca de um ano para ter 14 centímetros e atingir a maturidade sexual, ou seja, a altura em que se começam a reproduzir.

Capturar a chamada petinga é capturar sardinha com menos de 11 centímetros, que não se chega a reproduzir. A introdução de algumas regras em relação ao tamanho e à quantidade pescada pretende garantir os stocks marinhos. Mas então porque é que encontramos à venda em restaurantes? Ao i, Frederico Pereira explica que ainda que seja proibido pescar, “ela lá vai aparecendo”.

“Provavelmente, grande parte vem do estrangeiro. Ainda que admita que um ou outro pescador possa apanhar, mas em parte devido aos problemas que vivem”, explica, acrescentando: “Se não tiver nada para comer e apanhar uma, vou deitar fora? As pessoas não têm uma remuneração fixa e isso deve ser tido em conta”. Além disso, para o coordenador da Federação dos Sindicatos do Setor da Pesca, é preciso ter em conta que “há pessoas, que não são do setor, e que por estarem desempregadas tentam fazer algum dinheiro com este tipo de pesca”.

Já sobre as grandes embarcações, Frederico Pereira assume que é muito difícil que estejam na origem das petingas que são encontradas em Portugal. “Estamos a falar de grandes embarcações que não se podem esconder e que são altamente fiscalizadas. A petinga que vemos à venda não é daqui que vem”, afirma.

A verdade é que há quem alerte que não respeitar as regras pode significar a extinção completa da espécie.