Internacional

Calais. A Selva começa a esvaziar

Já saíram mais de 600 requerentes de asilo e imigrantes do gigantesco acampamento improvisado. Tendas começam a ser desmanteladas esta semana. 

As primeiras centenas de requerentes de asilo e imigrantes abandonavam esta segunda-feira o gigantesco acampamento improvisado de Calais, que começará a ser desmantelado esta semana contra a vontade de muitos residentes e dezenas de organizações humanitárias. Os autocarros começaram a partir por volta das 8h de Portugal Continental.

Ao contrário do que pareciam sugerir os dias de violência no fim de semana, as primeiras transferências de pessoas para centros de acolhimento em Paris, Lyon e Marselha avançavam de forma pacífica e quase sempre ordeira. Ao final da manhã já perto de 600 pessoas tinham já embarcado nos autocarros oferecidos pelo governo francês.

A ajudar nas operações estão 1200 polícias e funcionários dos serviços franceses de asilo e integração. Antes da operação desta segunda-feira – haverá mais transferências na terça e quarta –, centenas de agentes passaram revista às tendas e explicaram aos mais de 6000 moradores da “Selva” de Calais o que lhes iria acontecer.

Muitos dos que se estabeleceram na “Selva” esperavam poder um dia seguir caminho para o Reino Unido, que tem um sistema de asilo mais generoso do que o francês, uma língua conhecida e um grande mercado negro de mão-de-obra ilegal. Ao longo de vários meses, centenas tentaram forçar entrada em autocarros a caminho do Canal da Mancha.

“O campo é sujo e perigoso”, contava ao “Guardian” Mohamed, um requerente de asilo de 23 anos, nascido na Eritreia. Como ele, muitos dos que esta manhã formavam longas filas à saída da “Selva” diziam-se felizes por abandonar o campo e afirmavam já não ter interesse em chegar ao Reino Unido.

“Quero integrar-me e começar uma nova vida”, dizia Yusef, sudanês. “Quero contribuir. "Confio na França para que me mantenha seguro.”

As autoridades esperam recolocar cerca de 3000 adultos só nesta segunda-feira, deixando para trás perto de mil menores não acompanhados, que o Reino Unido aceitou receber sob um programa especial de acolhimento de refugiados. O Ministério do Interior britânico começou já a acolher algumas crianças, mas suspendeu as operações esta semana a pedido das autoridades francesas, segundo escreve o Guardian, pelo menos durante a demolição do campo.