Economia

Combustíveis. Depois de duas quedas, não espere boas notícias

As duas últimas semanas ficaram marcadas por duas descidas nos preços dos combustíveis, o que deixa adivinhar que a revisão em baixa dos preços não se volte a repetir na próxima segunda-feira.

As petrolíferas nacionais não deverão promover, depois de duas semanas marcadas pelas descidas, qualquer alteração nos preços da gasolina ou do gasóleo.

A verdade é que todas as semanas, os consumidores portugueses ficam na expetativa de ver o que vai acontecer ao preço dos combustíveis. Por vezes, as notícias são mais animadoras e mostram uma baixa dos preços nos postos de combustível, mas nem sempre assim é. Mas, afinal, o que tem acontecido ao preço dos combustíveis em Portugal nos últimos anos?

Em 2010, muitos alertavam para os preços que estavam a ser praticados nos últimos tempos no país e que eram em muito superiores ao resto da Europa, apesar de os salários nacionais serem, em média, inferiores.

De acordo com dados da Direção-Geral de Energia do Ministério da Economia, em 2008, em média, o preço da gasolina 95 no nosso país era superior ao preço médio da União Europeia em cerca de 3,2%. 

Mas se nesta altura já existia quem achasse que não se justificava, o pior ainda estava para vir, porque os aumentos continuaram. De 2008 para os primeiros meses de 2010, já várias diferenças podiam ser apontadas, nomeadamente o facto de a diferença percentual de preços ter subido em 84%.

Mas nem só na gasolina houve aumentos sucessivos.

Em relação ao gasóleo, a situação até foi mais grave. Em 2008, em média, o preço do gasóleo em Portugal era superior ao preço médio da União Europeia em 2,9%, mas também nesta matéria os preços aumentaram de tal forma que, entre 2008 e 2010, a diferença percentual de preços entre Portugal e a União Europeia já tinha subido para 165,5%.

Números fáceis de perceber olhando também para o Portada, base de dados da Fundação Francisco Manuel dos Santos, que mostra que, em 2010, um litro de gasolina 95 custava 0,87 euros. Em 2014, esse mesmo litro custava já 1,43 euros. Também no caso do gasóleo se registaram fortes aumentos: em 2000, o litro custava 0,68 euros; em 2014 já se fixava nos 1,30 euros.

Portugal continua mais caro 

Anos depois, a verdade é que, de acordo com os dados mais recentes, a carga fiscal sobre os produtos petrolíferos continua a penalizar a gasolina e o gasóleo que são vendidos nos postos de abastecimento em Portugal. Após a carga fiscal que é aplicada, os combustíveis passam a ser dos mais caros da Europa.

No caso da gasolina, Portugal está dentro da média europeia no que respeita aos preços antes dos impostos, com o preço a rondar os 0,452 euros por litro. No entanto, depois de aplicados os impostos, a gasolina em Portugal passa a ser a sexta mais cara da União Europeia: o preço médio é de 1,382 euros por litro.

Já no caso do gasóleo, segundo os dados da Comissão Europeia, Portugal mantém-se dentro da média da Europa antes dos impostos (0,477 euros por litro). No entanto, com o ISP, o custo passa a ser de 1,147 euros, o nono valor mais alto da UE.

Ainda que muito se fale na influência do preço do petróleo, a verdade é que, quando em dezembro de 2015 o preço da matéria caiu para o valor mais baixo dos últimos anos, os preços dos combustíveis não acompanharam as oscilações do crude.