Economia

INE. Juros do crédito à habitação em trajetória descendente

Montante do capital médio em dívida para a totalidade dos créditos diminui 31 euros

A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação baixou em outubro. A prestação média dos contratos foi de €237, valor idêntico ao de setembro. “Em outubro, a taxa de juro implícita no crédito à habitação registou um decréscimo de 0,009 pontos base (p.b.) face ao observado no mês anterior [1,047%], fixando-se em 1,038%”, revelou ontem o Instituto Nacional de Estatística (INE). Para “os contratos celebrados nos últimos 3 meses, a taxa de juro implícita foi 1,960% (2,009% no mês anterior)”, acrescenta.

O gabinete oficial de estatísticas português revela que para “o destino de financimento ‘Aquisição de Habitação’, o mais relevante no crédito à habitação, a taxa de juro implícita no conjunto de contratos fixou-se em 1,052% (1,060% em setembro)”. Segundo o INE, para “os contratos celebrados nos últimos 3 meses, a taxa de juro passou de 1,987% em setembro para 1,941% em outubro”.

No entanto, em outubro, o valor “médio da prestação vencida para o conjunto dos contratos de crédito à habitação situou-se em 237 euros”, que é idêntico de setembro. “Nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, o valor médio da prestação foi 298 euros (307 euros em setembro)”, revela o INE

Já o montante de capital médio em dívida para a totalidade dos contratos de crédito à habitação diminuiu 31 euros em outubro, para 51 638 euros.

 Nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, o montante médio do capital em dívida foi de 85 818 euros (87 176 euros em setembro). Esta tendência de juros baixos já tinha sido revelada em outubro, quando o Banco de Portugal revelou que os juros estavam nos níveis mais baixos desde que os valores começaram a ser analisados pelo Banco de Portugal (BdP).

Euribor “Nas novas operações de crédito a particulares para a finalidade habitação, a taxa de juro média foi de 1,92%”, revelou o  o BdP. No total, a banca emprestou 477 milhões de euros em novos créditos para a compra de casa.
Em baixa está também a Euribor, usada para fixar o valor dos créditos à habitação. A taxa a três meses está em valores negativos desde abril de 2015 e está em -0,313%, o mínimo histórico desde 19 de outubro.  
Já a Euribor a seis meses – a mais usada em Portugal para contrair os créditos à habitação e que entrou em números negativo em novembro de 2015 – está a valer -0,220%. 

A taxa a seis meses tem estado a descer desde há várias sessões, pressionada pela expetativa de prolongamento dos estímulos de política monetária por parte do Banco Central Europeu (BCE).