Economia

Alemanha continua confiante

A confiança económica na Alemanha mantém-se num nível alto e houve um crescimento, ainda que ligeiro, do PIB no terceiro trimestre.

Um relatório do Instituto Ifo, de Munique, divulgado ontem, considera que a “viragem da economia alemã continua intacta e que a Alemanha parece imperturbável com a eleição de Donald Trump.

O índice Ifo de confiança na economia atingiu os 110,4 pontos em novembro, valor igual ao de outubro e o mais alto desde abril de 2014.

Também ontem o Destatis revelou que o crescimento da economia alemão foi de 0,2% no terceiro trimestre, impulsionado pelo consumo interno mas um pouco cortado pelo comércio externo. Segundo o órgão oficial de estatísticas alemão a consumo interno subiu 0,4% e a despesa pública 1% por comparação com o trimestre anterior, mas o investimento bruto e as importações tiveram um crescimento mínimo e as exportações caíram 0,4%.

A análise é em relação ao período pós-Brexit, um dos principais mercados para as exportações alemãs.

Na análise anual, a economia alemã cresceu 1,7% no terceiro trimestre, 1,8% no segundo e 1,9% nos primeiros três meses do ano. No ano passado tinha crescido 1,7% e para este ano as estimativas apontam para um crescimento de 1,8%, descendo para 1,4% em 2017.

As promessas de Donald Trump, presidente-eleito dos EUA, de reversão dos acordos de comércio livre têm tido impacto nas economias exportadoras, como a alemã. No entanto, esta tem mudado e o consumo interno tem sido nos últimos meses a principal fonte de crescimento.

O desemprego está em níveis muito baixos e os salários têm estado a subir, aumentando a capacidade de consumo na maior economia da Europa. A chegada de quase 900 mil requerentes de asilo levou a investimento público em infra-estruturas.