Desporto

Juan Sebastián Verón. Ainda há histórias de amor

A dois meses de completar 42 anos, La Brujita vai voltar aos relvados pelo clube do coração – do qual também é... presidente. Tudo devido a uma promessa – mas principalmente à ligação incondicional com o Estudiantes, o amor de sempre

DR  

Ao contrário do que se diz por aí, ainda há verdadeiras histórias de amor. O desporto é pródigo em exemplos claros de tal evidência, e da Argentina chega mais um que será posto em prática já a partir de janeiro do ano que está aí à porta: Juan Sebastián Verón vai voltar aos relvados, e com a camisola do clube de sempre, o Estudiantes de La Plata. A dois meses de completar 42 anos, e quase três anos depois de se ter retirado oficialmente... pela segunda vez – a primeira havia sido em 2012, também ao serviço do Estudiantes –, La Brujita, considerado um dos melhores médios da história do futebol argentino, voltará a competir a 8 de janeiro, em jogo da Florida Cup e logo frente aos alemães do Bayer Leverkusen, que aí estarão a preparar os oitavos de final da Liga dos Campeões.

Será a quarta “estreia” de Verón pelos Pincharratas, clube onde se formou e despontou para o futebol na longínqua época de 94/95. Ano e meio depois, mudou-se para o Boca Juniors, e apenas seis meses na Bombonera levaram-no à Europa, encetando em 96/97 um périplo que lhe permitiu passar por clubes de topo do futebol mundial, como a Lazio, o Manchester United, o Chelsea ou o Inter de Milão. Em 2006, com 31 anos, voltou a casa. No Estudiantes acolheram-no de braços abertos... e a glória reapareceu: 23 anos depois, campeões nacionais. Faltava cumprir um sonho, o grande sonho: a Libertadores, que andava fugida do clube desde o tri em 1968, 1969 e 1970. Pois bem, sob a batuta do mágico, o sonho tornou-se realidade: o Estudiantes sagrou-se campeão sul-americano em 2009 – com Verón a ser o melhor em campo no 2-1 final perante o Cruzeiro – e outra vez campeão nacional em 2010.

Pendurou as botas em junho de 2012 – profissionalmente, pois continuou a jogar por carolice no Brandsen, equipa amadora de La Plata. Em dezembro, voltou ao clube como diretor-desportivo – mas “sem receber um cêntimo”, anunciou então o presidente Enrique Lombardi. Estranho? Não: é o amor de Verón pelo clube a falar mais alto.

qualidade intacta

Mas o bichinho continuou a remoer por dentro, e os pedidos dos ex-colegas falaram mais alto: em 2013/14, novamente a magia da Brujita nos relvados com a camisola do Estudiantes. Em maio, novo adeus – e em outubro, novo regresso, agora como presidente e após uma vitória esmagadora: 75,53 por cento dos votos, contra os míseros 24,12 da dupla composta por Enrique Lombardi e Carlos Bilardo.

É verdade: por estes dias, Verón continua a ser presidente do clube – o mandato atual acaba em outubro do próximo ano. E foi precisamente através desse lado mais político que se começou a desenhar no horizonte a possibilidade do regresso aos relvados: se fossem vendidos 65 por cento dos lugares do novo estádio, que deverá ser inaugurado em meados da próxima temporada, o presidente voltava a jogar. Números alcançados... e promessa cumprida: no início de dezembro, e através de um vídeo publicado nas redes sociais, o clube mostrou Verón a treinar – e em excelente forma física para um “ex-jogador” de 41 anos –, revelando que o regresso seria uma realidade em 2017.

Houve quem questionasse o timing da decisão, e inclusive os benefícios para o clube em termos desportivos. A julgar pelas palavras de quem sabe, porém, não há motivos para temores: só para júbilo. “A sua qualidade está intacta. É um jogador de renome e fortalecerá o plantel”, salientou o treinador – e também ele antigo internacional argentino – Nelson Vivas. “Continua o mesmo de sempre. Não falha um passe, é uma coisa incrível”, realçou o médio Julián Marchioni, que a partir do próximo mês partilhará o campo com o presidente – cujo salário como jogador terá como destino as modalidades amadoras do clube...

rumo à quinta libertadores

Para já, ainda não está definido por quanto tempo Verón irá jogar. A ideia inicial era fazer a fase de grupos da Libertadores, que a partir desta temporada tem novo formato, com os grupos constituídos por apenas três equipas – ao Estudiantes calharam em sorte o Atlético Nacional, da Colômbia, e o Barcelona do Equador. O grande objetivo dos homens de La Plata é chegar ao quinto título continental. No campeonato, é quarto classificado, a quatro pontos do líder Boca Juniors, mas só somou um ponto nos últimos três jogos, pelo que só tem a ganhar com a força anímica que advém do regresso de um herói. Porque é isso que Juan Sebastián Verón é: um herói. Verón é Estudiantes.