Vida

Manias que a ciência explica. A rúcula sabe a quê?

A genética por detrás da nossa capacidade de detetar determinados sabores foi das primeiras singularidades genéticas a ser descoberta, ainda nos anos 30 do século passado. 

Tudo começou com a feniltiocarbamida, composto presente em vegetais das famílias crucierae ou brassicaceae. Os investigadores descobriram que a capacidade de sentir o sabor amargo associado a este composto resulta de uma variação no gene TAS2R38.

Nos últimos anos, dividiram as pessoas em três categorias: as que não são capazes de sentir o sabor, as que o sentem normalmente e as que o sentem de forma exacerbada (chamados super-tasters), o que explica os casos de verdadeiro amor e ódio com vegetais como couves de Bruxelas ou rúcula.

No campo dos vegetais, há outro dado curioso. Uma equipa de Filadélfia explicou em 2013 o fenómeno que move as legiões que detestam coentros porque lhes sabem a sabão.

Depois de analisarem dados de 30 mil pessoas, os cientistas descobriram que existem duas variações genéticas que estarão ligadas a recetores do olfato responsáveis pela experiência negativa.