Sociedade

Deco desaconselha compra de hambúrgueres nos talhos

Um estudo da Deco Proteste revelou que comprar hambúrgueres de carne já picada nos talhos não é uma boa ideia. A associação de defesa dos consumidores encontrou bactérias, demasiada gordura, conservantes e aditivos alergénicos usados para simular frescura na carne.


De acordo com o estudo, a carne é guardada a temperaturas demasiado altas nos talhos, além de terem sido encontrados "milhões de bactérias por grama", como salmonela e outras de origem fecal.

"Desaconselhamos de todo a compra de carne previamente picada e de hambúrgueres frescos já preparados nos talhos", disse o técnico Nuno Lima Dias, à agência Lusa. Para o especialista, o Governo devia proibir a venda deste formato.

No âmbito do estudo, a Deco comprou hamburgueres de vaca em 25 talhos, pedindo que estes não tivessem cereais ou vegetais, para que assim não fosse suposto encontrar sulfitos, mas a verdade é que estes conservantes, usados de forma ilegal, foram identificados em 80 por cento das amostras.

Os sulfitos podem provocar vários problemas e patologias de náuseas, dores de cabeça a alergias, e problemas respiratórios. Nalguns casos, embora raros, as reações alérgicas podem mesmo ser fatais.

“Os consumidores estão desprotegidos”, afirmou o técnico, explicando que não há forma de detetar a qualidade e frescura da carne, em especial se os talhos utilizam os sulfitos, que evitam o escurecimento da carne.

A Deco aconselha a escolher-se a peça de carne, inteira, e pedir para picar na hora, ou comprar e depois picar em casa.

Na confeção, deve cozinhar-se bem a carne e evitar que entre em contacto com outros alimentos que sejam consumidos crus.

Nuno Lima Dias afirmou ainda que nenhum dos resultados dos talhos ficou acima do “razoável” e que a “grande maioria dos estabelecimentos chumbou.

Os comentários estão desactivados.