Internacional

Brasil. Queda a pique do ex-milionário Eike Batista confirmada com detenção

Batista foi eleito o sétimo homem mais rico do mundo, em 2012, mas faliu no ano seguinte. Segunda-feira foi preso no âmbito da Operação Lava Jato, depois de três dias em fuga.

“Regresso para responder à justiça como é meu dever [mas] vou contar como são as coisas”, prometia Eike Batista à Globo, no aeroporto JFK, em Nova Iorque, antes de embarcar no avião que o iria transportar para o Rio de Janeiro, para ser detido pela polícia brasileira, no âmbito da Operação Eficiência, um dos inúmeros eixos do maior escândalo da Lava Jato, o maior escândalo de corrupção das últimas décadas no Brasil.

Mas há uns anos, a forma de contribuição do antigo milionário era outra. Tradicional financiador de campanhas políticas e dono de uma fortuna incontável, Batista era largamente disputado pelos vários dirigentes de cargos públicos brasileiros, que quase se atropelavam para poderem ser fotografados ao seu lado e, principalmente, ao lado dos seus milhões. Foi precisamente essa promiscuidade que levou a justiça a investigar o seu relacionamento com Sérgio Cabral, e a acusá-lo, posteriormente, de ter subornado o ex-governador do Rio em cerca de 52 milhões de reais (mais de 15 milhões de euros), em 2010.

Batista ainda esteve oficialmente em fuga, durante três dias, mas entegou-se na manhã de segunda-feira, completando um dos mais estrondosos caminhos rumo à ruína, dos últimos tempos. Ao longo da primeira década de 2000, o empresário acompanhou o crescimento económico brutal que ser verificou no Brasil e faturou milhões de reais, fruto de investimento sérios nos setores petrolífero, mineiro e da construção naval. A sua glória foi mundialmente reconhecida em 2012, pela revista Forbes, que o colocou na sétima posição da lista dos homens mais ricos do globo, com uma fortuna avaliada em 34 mil milhões de dólares (cerca de 31 mil milhões de euros), acompanhada pelo seu próprio otimismo, tendo prometido que chegaria à primeira posição em 2016. Mas o tiro saiu-lhe pela culatra e com os primeiros sinais do que viria a redundar no atual  período de recessão económica no Brasil, Batista desceu à terra e foi obrigado a esvaziar os cofres de forma drástica, ao ponto de declarar falência em 2013. A entrada no Presídio Ary Franco, no Rio de Janeiro, confirmou, então, a sua desgraça pessoal.

Transferência polémica

A estadia de Batista em Ary Franco durou pouco, já que foi transferido para o Complexo Penitenciário de Bangu, uma prisão mais recente e, segundo a versão brasileira do “El País”, “menos violenta”. A transferência foi justificada pelos advogados do empresário como resultado do “receio pela segurança de Eike”, mas levantou enorme polémica no Brasil. Isto porque dois dos principais elementos, previstos na legislação brasileira, que podem definir a colocação de um detido, que aguarda julgamento, numa cela mais segura, é a pertença a uma organização criminosa ou a posse de um curso superior.

É precisamente neste ponto que as críticas da opinião pública do Brasil - particularmente difundidas através das redes sociais - batem, uma vez que Batista não pertence a qualquer gangue e confessou, numa autobiografia, que não tinha chegado a concluir o cursos iniciado numa faculdade de engenharia.

Polémicas à parte, a vontade de Eike Batista em “contar como são as coisas” sugere uma eventual delação premiada [um compromisso de colaboração, acordado entre o Ministério Público e o acusado, previsto na legislação brasileira e que tem como fim a obtenção de benefícios legais para ambas as partes] e com isso a probabilidade de serem revelados mais nomes envolvidos no esquema de corrupção da Lava Jato. Hoje o empresário prestou os primeiros depoimentos, junto da justiça.