Sociedade

Vital Moreira contra "redução da carga letiva do Português e da Matemática"

Constitucionalista alerta que alunos chegam à universidade com "enormes deficiências na língua materna" 

O ex-deputado do PS Vital Moreira critica "a eventual redução da carga letiva do Português e da Matemática".

O governo tenciona alterar o currículo das escolas e dar menos horas à matemática e ao português. O secretário de Estado da Educação da Educação, João Costa, diz ao Expresso que o governo vai "emagrecer o currículo actual e fazer um reequilíbrio entre áreas". O jornal dá conta de que as alterações ao programa de Nuno Crato são "profundas".

Vital Moreira contesta esta decisão e alerta para as consequências de aliviar o número de horas de português e matemática. "Não concordo nada com uma eventual redução da carga letiva do Português e da Matemática, quer por serem o fundamento de todo o conhecimento, quer pelo evidente défice de saber nessas duas áreas de que padece grande parte dos alunos que completam o ensino obrigatório".

Vital Moreira é professor na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e garante que todos os anos constata que há "jovens portugueses que chegam à universidade, após 12 anos de escolaridade, com enormes deficiências na língua materna e sem serem capazes de calcular uma percentagem, o que há algumas décadas não seria admitido no final do ensino básico de quatro anos". Uma situação que o constitucionalista classifica como "inaceitável". 

O ex-eurodeputado socialista aplaude, porém, a intenção do governo de reintroduzir a disciplina de Educação Cívica. "Considero imprescindível a educação para a cidadania, os direitos humanos, o civismo e a responsabilidade cívica, a educação financeira básica, educação ambiental, os riscos dos comportamento adictivos, o bullying e o assédio, etc. O republicanismo cívico começa na escola".