Economia

Estas são as instituições em que os portugueses menos confiam

Os portugueses não só não conhecem bem as instituições como simplesmente não confiam nelas, que se fale nas nacionais ou nas internacionais.

A conclusão faz parte de um estudo da Deco, que mostra que as instituições que geram mais desconfiança entre os portugueses são o FMI, o Banco Mundial e até o Banco de Portugal.

De acordo com o documento da associação, “esta desconfiança é particularmente notória na forma como os portugueses olham para o Banco de Portugal e para o Banco Mundial. As duas entidades bancárias que estão nos últimos lugares do ranking da confiança causam descrença praticamente a todos os níveis: independência, competência para supervisionar o sistema ou capacidade de promover o crescimento económico”.

Já no sentido contrário, os inquiridos mostram ter muita confiança na polícia, nas câmaras municipais e até na igreja católica.

Além destas conclusões, o estudo da Deco mostra ainda que também existe quem não conheça bem as instituições e o seu propósito.

“Metade dos inquiridos não sabe se os bancos privados podem pedir dinheiro emprestado ao Banco Mundial e se uma das tarefas desta entidade é supervisionar as agências de rating. Perto de metade (47%) não sabe se a OMS é financiada pela indústria farmacêutica (não é) e 45% desconhecem se o FMI só inclui países do mundo ocidental (não, também inclui nações como a China e a Arábia Saudita)”, referem.