Desporto

Ligas. Pesadelos, sonhos e entre os dois

Depois da remontada histórica, o Barcelona cedeu diante do Deportivo. O Mónaco soma e segue enquanto o Hull, de Marco Silva, lá vai, devagarinho, mas ainda não pode respirar de alívio...

Verdadeiro pesadelo para a equipa orientada por Luis Enrique quatro dias depois do milagre em Camp Nou, que permitiu ao Barcelona apurar-se para os quartos de final da Liga dos Campeões. Com encontro da 27.º jornada da liga espanhola marcado no Estádio Municipal de Riazor,  diante do 15.º classificado da liga espanhola, Deportivo da Corunha, parecia e deveria ser garantida a vitória de Lionel Messi, o português André Gomes, titular, e companhia. Um triunfo que seria precioso para o Barcelona se distanciar do Real Madrid, somente a um ponto, numa altura em que os merengues têm ainda um jogo de atraso por cumprir. Com o primeiro golo a pertencer à equipa da casa, apontado por Joselu aos 40 minutos, nem tudo corria de feição às máquinas ‘sobre-humanas’ de há dias atrás. Suárez ainda conseguiu repôr a igualdade nos momentos iniciais da segunda metade, mas não seria suficiente. Álex Bergantiños selou as contas aos 76 minutos e obrigou o Barcelona a acordar do sonho com o desaire (2-1). Mas há quem não precise de parar de sonhar.

O Mónaco, de Leonardo Jardim, soma e segue, a cada jornada. Recebeu o Bordeaux e venceu (2-1) com golos do jovem Mbappé e do médio português João Moutinho, que assinalou o seu segundo golo na liga francesa. O Mónaco mantém-se invicto há 11 jogos (no campeonato) e segura a liderança na passagem da 29.º jornada com 68 pontos. 

Pausa na Premier League, só para alguns Em solo inglês os jogos para a Taça levaram ao adiamento de vários encontros. O Hull City não foi um desses casos e saiu vitorioso do confronto com o Swansea (2-1). Os tigres estão a um ponto de abandonar a linha de água, onde mora o Crystal Palace que ainda tem a oportunidade de se distanciar caso vença o Tottenham, um dos convocados para os quartos de final da competição paralela.

De relembrar que quando o treinador português chegou ao comando dos foxes, o conjunto tinha apenas uma vitória na liga inglesa e estava enterrado no último lugar da tabela. Desde que se sentou no lugar em oito jogos realizados (para a liga) só saiu derrotado de três. Ainda não é permitido sonhar, é certo, mas o maior pesadelo já passou...

Na Taça de Inglaterra, destaque para o Arsenal que depois da derrota humilhante por 10-2, no conjunto das duas mãos, contra o Bayern de Munique, resultado nunca antes visto na história do clube em eliminatórias europeias redimiu-se com uma goleada (5-0) frente ao Lincoln e juntou-se ao Mancheser City nas meias-finais. Uma pausa no pesadelo que Wenger tem vivido, com o pedido de saída do cargo a ser recorrente por parte dos adeptos. O City havia, momentos antes, batido o Middlesbrough por 2-0. Hoje, ainda para a Taça, entra em campo o United de Mourinho contra o Chelsea, emblema onde o português já foi feliz...