Internacional

Kellyanne sugere que Obama espiou Trump… com um microondas

Kellyanne Conway ficou famosa por cunhar a expressão “factos alternativos” quando contrapôs aos números oficiais a versão presidencial de que tinham sido batidos recordes na multidão que assistiu à tomada de posse de Donald Trump. Agora, a assessora do Presidente dos Estados Unidos sugere que Obama pode ter espiado Trump usando um “microondas transformado em câmara”.

A alegação não é nova, mas até agora não há quaisquer dados que comprovem que Donald Trump foi alvo de escutas a mando do anterior Presidente Barak Obama. Ainda assim Kellyanne Conway não hesitou em lançar ainda mais a confusão para o debate, sugerindo que há vários métodos para espiar alguém e que Trump pode ter sido alvo desse tipo de vigilância.

A insinuação surgiu durante uma entrevista da assessora da Casa Branca ao USA Today na qual Kellyanne Conway sustenta que mesmo sem serem encontrados microfones pode sempre haver escutas.

“O que posso dizer é que há muitas formas de vigiar alguém”, defendeu, explicando que “é possível vigiar alguém através de telefones, certamente através de aparelhos de televisão, de uma série de maneiras”.

Kellyanne garante que há até “microondas que se transformam em câmaras”.

“Sabemos que isto é um facto da vida moderna”, acrescentou, lançando ainda mais confusão sobre um caso que já terá levado o diretor do FBI James Comey a pedir ao Departamento de Justiça para intervir e averiguar se as acusações feitas por Donald Trump contra Obama têm algum tipo de fundamento.

Os pedidos no sentido de apresentar provas que sustentem esta tese de Trump têm sido vários. O próprio senador republicano John McCain já pediu a Obama que apresente factos que sustentem o que disse. Mas até agora da Casa Branca não há mais do que insinuações e acusações.

Donald Trump pediu, contudo, ao Congresso que investigasse o caso.