Sociedade

2017 vai ser muito quente, mas não deve bater recorde de 2016

2016 foi um dos anos mais quentes de sempre 

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial, o ano de 2017 vai ser muito quente, mas não deverá bater o recorde de 2016.

Em comunicado de imprensa, a organização adiantou que a mudança climática vai ser a responsável pelo aumento das temperaturas e não o fenómeno climático El Niño (que fez subir as temperaturas nos primeiros meses do ano de 2016, e depois de os seus efeitos se dissiparem, as temperaturas mantiveram-se elevadas na mesma).

Segundo a mesma fonte, o El Niño e a La Niña estão ligados a condições extremas do clima como cheias e secas em diversas partes do mundo.

Os especialistas que trabalham nesta organização consideram que os efeitos climáticos não devem surgir este ano, depois de afetarem as temperaturas durante dois anos consecutivos – 2015 e 2016.

O porta-voz da agência avançou que “a região do Ártico sofreu por três anos com ondas de calor intenso e não conseguiu voltar a congelar.

Recorde-se que o ano passado foi um dos anos mais quentes de sempre.