Energia

OPA da EDP à EDP R concluída até ao verão

O grupo EDP considera que a OPA sobre a da EDP Renováveis é um bom negócio para os acionistas de ambas as empresas e espera ter o negócio concluído até ao verão.

“Acreditamos que é um bom negócio para os acionistas das duas empresas. Faz sentido para os acionistas de ambas as empresas” disse o presidente executivo do grupo numa conferência telefónica com analistas.

“Em termos de timing, espera-se que a oferta também esteja finalizada no segundo trimestre ou no início do terceiro trimestre de 2017”, acrescentou António Mexia.

A EDP anunciou segunda-feira uma oferta para adquirir os 22,5% que ainda não detém na sua subsidiária de energias limpas. Paga uma contrapartida de 6,80 euros por ação - mais 10,5% que a média diária do último semestre.

Ao mesmo tempo anunciava a venda da espanhola Naturgas, a operação de distribuição de gás em Espanha, – um negócio de 2,6 mil milhões de euros – que servirá para financiar a OPA e reduzir a dívida do grupo. A dívida líquida da EDP em 2017 - abaixo dos 16 mil milhões de euros - cai 2,3 mil milhões de euros. 

Na conferência telefónica com analistas, António Mexia apontou que os "dois negócios têm mais ou menos o mesmo timing", salientando que a “venda da Naturgas e o lançamento da OPA são muito importantes para o futuro da nossa empresa. Este é um momento importante".

De acordo com António Mexia, citado pela comunicação especializada, esta é uma “oportunidade interessante” para a empresa, uma vez que “no curto prazo, permite cristalizar o valor dos ativos. A médio prazo, reforça os objetivos do nosso plano estratégico. E melhora a posição da EDP no setor das utilities a longo prazo”, argumentou.

O responsável avisou que a empresa só poderia dar mais detalhes sobre o negócio "quando o prospeto final for lançado” e que em relação à Portgas haverá uma decisão final “muito em breve”.