Cultura

O regresso de Luís Miguel Cintra

Fundador da Cornucópia regressa com um espetáculo que será construído em partilha com o público. A primeira parte começa já este sábado, no Montijo.

Depois do encerramento do Teatro da Cornucópia, o anúncio da encenação prometida por Luís Miguel Cintra. “Um D. João Português” começa a ser apresentado já no próximo sábado no Pólo da Junta do Afonseiro, no Montijo.

Reunindo um conjunto de atores ligados ao percurso da Cornucópia, o espetáculo será construído em quatro cidades ao longo de 2017, numa partilha do processo de trabalho com grupos de espetadores locais.

No primeiro encontro, marcado para este sábado, será lido o primeiro bloco de trabalho, “Na estrada (da vida)”. Ao longo do ano, o grupo visitará outras três cidades para em cada uma delas ir partilhando com o público as diferentes fases de preparação de “Um D. João Português”, a partir da tradução portuguesa divulgada no teatro de cordel setecentista de D. João, obra-prima de Moliére.

Quando a peça estiver pronta, em 2018, o grupo regressará a cada um dos locais por onde passou para apresentar a totalidade do espetáculo. “Queremos que os espetadores sejam cúmplices deste jogo, desta mistura que é igual a como funcionam as nossas cabeças nos seus melhores momentos”, explica Luís Miguel Cintra num comunicado enviado à imprensa. “Para nós o Teatro é como um campo de treinos do desporto favorito dos seres humanos, aquele que o distingue dos animais: pensar. E aceitar ou não, ser moral e ser feliz.”

Depois do Montijo, Luís Miguel Cintra levará a preparação de “Um D. João Português” a uma outra cidade ainda por definir, para depois seguir para o Teatro Viriato, em Viseu, e terminar em Guimarães.