Economia

António Costa acredita que Portugal sairá do PDE

O primeiro-ministro acredita que Portugal vai mesmo sair do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) e confirmou o convite para o ministro das Finanças presidir ao Eurorgupo. 

Em entrevista à Rádio Renascença António Costa considera que não há “nenhuma razão” para que o país não saia do PDE. “Só vejo razões para sairmos” acrescentou, elencando o défice abaixo dos 3% em 2016 e a previsão do Governo de um défice abaixo dos 1,6% em 2017.

O chefe do Governo aponta ainda que a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos – tida como um dos principais riscos apontados à manutenção de um défice abaixo dos 3% em 2017 – “não deverá ser considerado para défice. Mesmo que seja, ficaremos muito próximos dos 3,1%. É uma medida claramente de natureza excepcional, que visa o reforço do sistema financeiro”.

António Costa considera mesmo que a recapitalização da Caixa “é uma reforma estrutural” porque “resolve um terço do problema do crédito malparado”.

Na entrevista à Renascença, o primeiro-ministro confirmou que o ministro das Finanças foi sondado para avançar com uma candidatura ao Eurogrupo, ma que Mário Centeno vai continuar no Governo, uma vez que "nesta fase" é mais "útil" até porque tem vários dossiês europeus.

Costa considerou que Centeno “seria certamente um excelente presidente do Eurogrupo" e que o convite é "prestigiante para o doutor Mário Centeno e também para o país". Questionado sobre se este foi do ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, respondeu a rir, “não”.